Brasil

Bolsonaro: líderes evangélicos que pediram impeachment são de esquerda

O presidente Jair Bolsonaro menosprezou a importância do pedido de impeachment apresentado por lideranças religiosas nesta semana à Câmara. Em sua live semanal, ele disse que esses líderes são de “esquerda” e “não representam nem a opinião dos evangélicos”. O pedido de impeachment foi assinado por religiosos críticos ao governo, sob o argumento de que […]

Agência Estado Publicado em 29/01/2021, às 00h14

Presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Marcos Corrêa/PR)
Presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Marcos Corrêa/PR) - Presidente Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Marcos Corrêa/PR)

O presidente Jair Bolsonaro menosprezou a importância do pedido de impeachment apresentado por lideranças religiosas nesta semana à Câmara. Em sua live semanal, ele disse que esses líderes são de “esquerda” e “não representam nem a opinião dos evangélicos”.

O pedido de impeachment foi assinado por religiosos críticos ao governo, sob o argumento de que Bolsonaro agiu com negligência na condução da pandemia de covid-19, agravando a crise. É a primeira vez que representantes desse segmento encaminham uma denúncia contra o presidente por crime de responsabilidade.

Na lista estão padres católicos, anglicanos, luteranos, metodistas e também pastores. Embora sem o apoio formal das igrejas, o grupo tem o respaldo de organizações como o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil, a Comissão Brasileira Justiça e Paz da Confederação Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) e a Aliança de Batistas do Brasil.

“Quem lê pensa que são líderes de que nós temos conhecimento”, afirmou. Segundo ele, os evangélicos que encamparam o impeachment representam “menos de 1%” do grupo.

Minimizando o movimento, Bolsonaro disse que tem apoio dos religiosos e relativizou a queda de sua popularidade, apontada por diversas pesquisas, entre evangélicos. “Tem muitos evangélicos que gostam de mim, muitos católicos, espíritas e outras religiões, ateus também, mas não tem nenhum movimento coordenado de líderes evangélicos pedindo impeachment meu”, afirmou.

O presidente disse que não cometeu nenhum crime, ironizou os mais de 60 pedidos para afastá-lo apresentados na Câmara e disse não temer um processo para destituí-lo. “Se bater no liquidificador e espremer não dá nada”, afirmou.

Sobre possíveis casos de corrupção em seu governo, ele disse que “podem acontecer” e que, “se acontecer, nós vamos para cima”, mas que adota medidas preventivas. “Preferimos a prevenção do que depois do leite derramado reclamar.”

Bolsonaro comentou também o fechamento de fábricas pela Ford no Brasil e de cinco mil empregos, mas citou dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) e disse que 142.690 vagas foram criadas no ano passado, mesmo com a pandemia do novo coronavírus.

“Lamentamos, gostaríamos de não ter perdido cinco mil empregos”, disse, sobre a Ford. Ele afirmou ainda que a empresa não sobreviveu à concorrência de empresas asiáticas, mesmo com subsídios, principalmente em Camaçari, na Bahia.

Jornal Midiamax