Brasil

Bolsonaro lamenta ‘censura às mídias sociais’ após exclusão das contas de Trump

Comentando sobre o fato do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter sido excluído das redes sociais, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro lamento “censura às mídias sociais”. Nesta terça-feira (12), Jair Bolsonaro foi a cerimônia do Palácio do Planalto, para celebrar os 160 anos da Caixa Econômica Federal e falou sobra a imprensa em […]

Carolina Rocha Publicado em 12/01/2021, às 15h29

Presidente, Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Gabriela Biló)
Presidente, Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Gabriela Biló) - Presidente, Jair Bolsonaro. (Foto: Reprodução/Gabriela Biló)

Comentando sobre o fato do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ter sido excluído das redes sociais, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro lamento “censura às mídias sociais”.

Nesta terça-feira (12), Jair Bolsonaro foi a cerimônia do Palácio do Planalto, para celebrar os 160 anos da Caixa Econômica Federal e falou sobra a imprensa em seu mandato. “Minha adorada imprensa, vocês nunca tiveram tanta liberdade como em meu governo. Nunca se ouviu falar em meu governo em controle social da mídia ou democratização da mesma”, disse o presidente.

“Vocês têm liberdade demais, de sobra. Eu lamento o fechamento, a censura às mídias sociais. Elas não concorrem com vocês, não. Uma estimula a outra”.

Ele não citou o nome do Trump em seu discurso, no entanto, sua condenação às mídias sociais foi em meio a um debate sobre a decisão de empresas de tecnologia de restringir o alcance de contas associadas ao líder americano.

Exclusão de Trump das redes sociais

O presidente dos Estados UnidosDonald Trump, teve suas contas do Fecebook e Instagram bloqueadas por tempo indeterminado. A notícia foi feita através de um post pelo presidente-executivo das redes sociais, Mark Zuckerberg.

No posto, Zuckerberg afirma que o presidente será bloqueado pelo menos até o dia da posse do novo presidente, Joe Biden, que acontece no dia 20 de fevereiro.

“Acreditamos que os riscos de permitir que o Presidente continue usando os nossos serviços durante esse período são simplesmente muito grandes”, escreveu Zuckerberg. Por isso estendeu o bloqueio, pelo menos até a posse de Biden, para que seja uma transição pacífica.

Jornal Midiamax