Brasil

Aliados de Bolsonaro anunciam que vão à Justiça por liberdade de Zé Trovão

Apoiador do presidente está no México e segue como foragido da polícia brasileira

Agência Estado Publicado em 09/09/2021, às 18h16

Zé Trovão, num primeiro momento, afirmou que se entregaria às autoridades
Zé Trovão, num primeiro momento, afirmou que se entregaria às autoridades - Foto: Reprodução

Aliados do presidente Jair Bolsonaro decidiram ir à Justiça para tentar garantir a liberdade de Marcos Antônio Pereira Gomes, o Zé Trovão, um dos líderes das manifestações em favor do presidente Jair Bolsonaro. O anúncio foi feito após reunião com Bolsonaro no Palácio do Planalto, onde o presidente recebeu caminhoneiros que organizam bloqueios nas estradas.

O deputado Vitor Hugo (PSL-GO) afirmou que apresentará o habeas corpus junto dos deputados Bibo Nunes (PSL-RS) e Carla Zambelli (PSL-SP). Considerado foragido da Justiça, Zé Trovão está no México. Num primeiro momento, afirmou que se entregaria às autoridades. Pouco depois, avisou que continuará em fuga e orientou bolsonaristas a "invadir Brasília".

O movimento de aliados do presidente acontece após Zé do Trovão ser contrariado pelo governo, depois de Bolsonaro pedir em áudio para que caminhoneiros parassem os bloqueios nas rodovias. Bolsonaristas não acreditaram na veracidade da gravação, que foi questionada pelo próprio Zé Trovão. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, precisou gravar um vídeo para confirmar que o pedido havia sido feito pelo presidente.

"Fruto da nossa conversa, e de tudo aquilo que a população brasileira sinalizou quando foi às ruas neste feriado de 7 de setembro, nossas lutas pelas liberdades individuais, em particular pela liberdade de ir e vir, de culto, de expressão, nós tomamos a decisão, vamos impetrar o HC para garantir a liberdade do Zé Trovão", disse Vitor Hugo.

O aliado de Bolsonaro classificou o movimento como um "gesto" e afirmou esperar que outros Poderes também façam o mesmo em "prol da pacificação". "É gesto que nós faremos, esperando que outros componentes da praça dos três poderes também façam gestos em prol da pacificação e da harmonia necessária entre os poderes. para que haja auto contenção dos poderes", disse o deputado.

Jornal Midiamax