Brasil

Um dia após Bolsonaro instigar apoiadores, grupo invade hospital no Rio e quebra computadores

Referência no tratamento do novo coronavírus no Rio de Janeiro, o Hospital Municipal Ronaldo Gazolla foi alvo de um ataque de um grupo de pessoas revoltadas com a possibilidade de leitos vazios nos hospitais, nesta sexta-feira (12). A ação ocorreu um dia depois do presidente Jair Bolsonaro dizer que ninguém morreu por falta de leito […]

Diego Alves Publicado em 12/06/2020, às 19h08 - Atualizado às 19h09

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR) - Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Referência no tratamento do novo coronavírus no Rio de Janeiro, o Hospital Municipal Ronaldo Gazolla foi alvo de um ataque de um grupo de pessoas revoltadas com a possibilidade de leitos vazios nos hospitais, nesta sexta-feira (12). A ação ocorreu um dia depois do presidente Jair Bolsonaro dizer que ninguém morreu por falta de leito no Brasil.

Seis pessoas, que seriam parentes de um homem que morreu por falta de leito, invadiram o hospital e gritavam que queriam checar os leitos para ver se estavam realmente ocupados, publicou o site O Globo.

Relatos ouvidos pela reportagem apontam que o grupo chutou portas, derrubou computadores e tentou invadir alas restritas a pacientes infectados com a Covid-19.

A ação aconteceu um dia depois do presidente Jair Bolsonaro, durante live presidencial, pedir para seus apoiadores “dar um jeito” de invadir hospitais para filmar os leitos destinados aos pacientes com coronavírus. Segundo ex-capitão, ninguém morreu de falta de leitos e o número de mortes por coronavírus foi inflado para “ganho político” contra ele. (Informações do site O Globo)

Jornal Midiamax