Brasil

Substituto de Marcola, Decinho do PCC está em estado grave por causa do coronavírus

Considerado substituto de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, no comando do PCC pelas autoridades policiais, Décio Gouveia Luiz, de 54 anos, o Decinho está em estado gravíssimo após ter contraído o novo coronavírus e segue internado e entubado na Santa Casa de Presidente Venceslau. Décio é considerado um dos integrantes do grupo de risco […]

Vinícius Costa Publicado em 11/06/2020, às 20h35

Décio Gouveia Luiz, apontado como líder do PCC na zona leste de SP e o substituto de Marcola no estado. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)
Décio Gouveia Luiz, apontado como líder do PCC na zona leste de SP e o substituto de Marcola no estado. (Foto: Divulgação/Polícia Civil) - Décio Gouveia Luiz, apontado como líder do PCC na zona leste de SP e o substituto de Marcola no estado. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Considerado substituto de Marco Willians Herbas Camacho, o Marcola, no comando do PCC pelas autoridades policiais, Décio Gouveia Luiz, de 54 anos, o Decinho está em estado gravíssimo após ter contraído o novo coronavírus e segue internado e entubado na Santa Casa de Presidente Venceslau.

Décio é considerado um dos integrantes do grupo de risco do covid-19 por ser portador de diabetes, hepatite, hipertensão, problemas cardíacos, trambose e câncer de pele. Comorbidades que foram utilizadas pelo advogado para pedir uma prisão domiciliar à Justiça, que ainda não analisou o caso, mas pediu informações sobre o quadro do paciente a SAP (Secretaria da Administração Penitenciária).

A internação do integrante da alta cúpula da facção criminosa colocou autoridades estaduais e federais em alerta, segundo o portal UOL. De acordo com o site, a condição de Decinho é visto com cautela, mas temem que ações dos presos possam surtir efeito em grupos criminosos nas ruas do país. Por isso, setores de inteligência já monitoram possíveis movimentações nesse sentido.

Décio Gouveia foi preso em agosto do ano passado enquanto estava em sua casa de luxo, em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro. Ele era “braço direito” de Marcola e chegou a ficar preso com ele por um tempo.

Jornal Midiamax