Brasil

MPF pede retirada de vídeo em que pastor Valdomiro Santiago vende feijão como cura do coronavírus

Na última segunda-feira (11), o MPF (Ministério Público Federal) em São Paulo, pediu à Justiça que fosse feita a retirada dos vídeos publicados na plataforma do Youtube, onde o pastor Valdemiro Santiago de Oliveira, da Igreja Mundial do Poder de Deus, oferece semente de feijão como uma cura para o novo coronavírus. O pedido consta […]

Vinícius Costa Publicado em 13/05/2020, às 15h28 - Atualizado às 15h35

(Foto: Reprodução, Youtube)
(Foto: Reprodução, Youtube) - (Foto: Reprodução, Youtube)

Na última segunda-feira (11), o MPF (Ministério Público Federal) em São Paulo, pediu à Justiça que fosse feita a retirada dos vídeos publicados na plataforma do Youtube, onde o pastor Valdemiro Santiago de Oliveira, da Igreja Mundial do Poder de Deus, oferece semente de feijão como uma cura para o novo coronavírus.

O pedido consta que a plataforma tem cinco dias para fazer a retirada de todos os vídeos do pastor. O órgão federal pede que o Google, empresa responsável pelo Youtube, mantenha o material “preservado e acautelado em arquivos e na íntegra”.

Em um dos vídeos feitos por Valdemiro, o pastor fala sobre o poder da cura da planta e pede um “propósito de R$ 100 a R$ 1 mil” pela semente. Alguns vídeos ainda podem ser encontrados na plataforma.

“Na última reunião de bispos e pastores, apresentando com exame, com laudo médico, gente curada de coronavírus. Em estado terminal, podemos dizer assim. Gravíssimo, num estado muito avançado. E Deus operou e fez maravilha. E está ali o exame, para quem quiser. Seria bom uma reportagem na Globo, na Bandeirantes, na Record, no SBT, na RedeTV!, para mostrar ao povo o poder de Deus. Aí você vê como é importante a semente, a semeadura. Então o povo obedeceu a José e semeou na terra. E a terra deu o retorno. Toda família se fartou e conseguiu venceu a crise, a epidemia”, dizia o pastor.

Segundo o G1, no último dia 8 de maio, foi enviado uma notícia crime feito pelo MPSP (Ministério Público de São Paulo) solicitando a investigação do pastor Valdemiro por suposta prática de estelionato.

Jornal Midiamax