Brasil

Moro cita autonomia para combater corrupção mesmo no governo do PT

“Foi garantida a autonomia da Polícia Federal durante as investigações. O governo da época (Dilma Rousseff, PT) tinha inúmeros defeitos, crimes de corrupção, mas foi fundamental a manutenção da autonomia da PF para que fosse realizado o trabalho”, criticou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro nesta sexta-feira (24), ao pedir demissão. “Presidente […]

Evelin Cáceres Publicado em 24/04/2020, às 11h41 - Atualizado às 17h25

Foto: reprodução
Foto: reprodução - Foto: reprodução

“Foi garantida a autonomia da Polícia Federal durante as investigações. O governo da época (Dilma Rousseff, PT) tinha inúmeros defeitos, crimes de corrupção, mas foi fundamental a manutenção da autonomia da PF para que fosse realizado o trabalho”, criticou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro nesta sexta-feira (24), ao pedir demissão.

“Presidente disse que queria alguém do contato pessoal dele, para ligar, colher informações, colher relatórios de inteligência. Não é o papel da PF prestar esse tipo de investigação. Imagine se na Lava Jato ministros e presidentes, a presidente Dilma, ficassem ligando para o superintendente em Curitiba para colher informações”, revelou.

“Num domingo qualquer, lembro que Valeixo recebeu uma ordem de soltura ilegal do ex-presidente Lula, condenado por corrupção e preso, emitida por um juiz incompetente. Foi graças a autonomia de Valeixo que ele comunicou as autoridades e foi possível rever a ordem”, comentou.

Jornal Midiamax