Brasil

Mandetta é demitido do Ministério da Saúde pelo presidente Bolsonaro

Depois de 1 ano e 3 meses no cargo de ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM) foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na tarde desta quinta-feira (16). A crise entre o agora ex-ministro e o presidente se intensificou nos últimos dias em razão de divergências no posicionamento a respeito do combate à […]

Aliny Mary Dias Publicado em 16/04/2020, às 15h22 - Atualizado em 17/04/2020, às 07h03

Reprodução
Reprodução - Reprodução

Depois de 1 ano e 3 meses no cargo de ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM) foi demitido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), na tarde desta quinta-feira (16). A crise entre o agora ex-ministro e o presidente se intensificou nos últimos dias em razão de divergências no posicionamento a respeito do combate à pandemia do novo coronavírus.

Mandetta anunciou, no twitter, sua demissão após encontro com o presidente. O sul-mato-grossense agradeceu ao trabalho de sua equipe e falou sobre o futuro do sucessor. O oncologista e empresário Nelson Teich foi nomeado pelo presidente como o novo comandante da Saúde do país.

“Agradeço a toda a equipe que esteve comigo no MS e desejo êxito ao meu sucessor no cargo de ministro da Saúde. Rogo a Deus e a Nossa Senhora Aparecida que abençoem muito o nosso país”.

Crise

As divergências entre posicionamento de Mandetta e Bolsonaro quase o fizeram deixar o Ministério na semana passada, quando Bolsonaro decidiu pela saída dele. Na ocasião, ala militar do Palácio do Planalto aconselhou o presidente que não efetivasse a saída de Mandetta.

A partir daí, o ministro deu várias declarações que só sairia do ministério se ficasse doente ou se fosse demitido. No último domingo, a crise novamente se intensificou após entrevista concedida por Mandetta à Rede Globo.

Nela, o ministro criticou posicionamento do presidente Bolsonaro, afirmando que os brasileiros acabaram tendo dois discursos para seguir e que precisavam de unificação. Prevendo a demissão do chefe, braço direito de Mandetta, Wandeson de Oliveira, secretário de Vigilância em Saúde, pediu saída do cargo nesta quarta, no entanto, o então ministro não aceitou a saída de Vanderson. “Vamos trabalhar juntos e sair juntos”, disse o ministro.

Agora, a expectativa é que os integrantes de cargos de chefia, o considerado “primeiro escalão” do ministério indicados por Mandetta também saiam dos cargos.

Mandetta é demitido do Ministério da Saúde pelo presidente BolsonaroNovo ministro

Nelson Luiz Sperle Teich tem graduação em Medicina pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1980) com especialização em Oncologia pelo Instituto Nacional do Câncer (1990). Atualmente é Presidente da COI – Clínicas Oncológicas Integradas S.A. e Diretor Executivo da MedInsight – Decisions in Health Care. É membro do corpo editorial do American Journal of Medical Quality.

Mandetta

Ex-deputado federal por Mato Grosso do Sul, Mandetta é médico ortopedista por formação e esteve à frente da Secretaria Municipal de Saúde de Campo Grande de 2005 a 2010.

Filiado ao DEM, Mandetta foi eleito deputado federal em 2010 e 2014. Nas eleições de 2018, Mandetta não concorreu e desde a campanha presidencial de Jair Bolsonaro era apontado como o futuro chefe do Ministério da Saúde. Situação que se consolidou desde os primeiros anúncios de Bolsonaro sobre seu primeiro escalão.

Jornal Midiamax