Brasil

Bolsonaro ri e provoca governador do Rio após afastamento

O presidente Jair Bolsonaro riu ao comentar o afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), por supostos desvios na área da Saúde. “O Rio está pegando, o Rio está pegando hoje. Está sabendo do Rio hoje? Governador já… Quem é teu governador?”, reagiu Bolsonaro a um apoiador que o questionou sobre a […]

Matheus Maderal Publicado em 28/08/2020, às 11h57

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido). (Foto: Alan Santos/PR/Divulgação)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido). (Foto: Alan Santos/PR/Divulgação) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido). (Foto: Alan Santos/PR/Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro riu ao comentar o afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), por supostos desvios na área da Saúde. “O Rio está pegando, o Rio está pegando hoje. Está sabendo do Rio hoje? Governador já… Quem é teu governador?”, reagiu Bolsonaro a um apoiador que o questionou sobre a situação do Estado, na saída do Palácio da Alvorada, nesta sexta-feira, 28. Em seguida, o homem disse que o governador agora é “o vice”. “Está acompanhando”, respondeu Bolsonaro, aos risos.

Em 26 de maio, quando o ex-aliado foi alvo de buscas, o presidente falou para apoiadores, também com um sorriso no rosto: “parabéns para Polícia Federal”.

Nesta sexta-feira, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou o afastamento imediato de Witzel, que nega as acusações e afirma ser alvo de “interesses políticos”. A Procuradoria-Geral da República chegou a pedir a prisão do governador, mas o STJ negou. Em coletiva de imprensa, o governador chamou a operação de circo e disse que  a subprocuradora Lindora Araújo, braço-direito de Augusto Aras, chefe da PGR, era amiga da família Bolsonaro.

“[O presidente Jair] Bolsonaro já declarou que quer o Rio de Janeiro, já me acusou de perseguir a família dele. Mas diferentemente do que ele imagina, aqui a Polícia Civil é independente. O Ministério Público é independente. E me preocupo muito com essa questão política que hoje estamos vivenciando”, disse Witzel.

Ex-aliados, Witzel e Bolsonaro têm trocado farpas desde o início da pandemia de coronavírus, com o governador criticando duramente a postura do presidente diante da doença que já matou mais de cem mil no País. À época, Witzel disse que Bolsonaro caminhava para o precipício e queria levar com ele todos nós ao se opor a medidas de isolamento social.

O vice-governador Cláudio Castro deve assumir provisoriamente a função. Pela manhã, o STJ também expediu um mandado de prisão contra o Pastor Everaldo, presidente do PSC, que já foi preso pela Polícia Federal. Everaldo batizou Bolsonaro no Rio Jordão. (Com informações da Agência Estado)

Jornal Midiamax