Brasil

Mestre de capoeira é morto a facadas após, segundo a polícia, defender o PT

O mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, conhecido como Moa do Katendê, de 63 anos, foi morto com 12 facadas nas costas na madrugada desta segunda-feira, em um bar em Salvador, após dizer que tinha votado no candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad. Ao Jornal Extra, a assessoria de imprensa da Secretaria da […]

Da Redação Publicado em 08/10/2018, às 11h02 - Atualizado às 11h03

Capoeirista foi morto com 12 facadas. Foto: Reprodução/Facebook
Capoeirista foi morto com 12 facadas. Foto: Reprodução/Facebook - Capoeirista foi morto com 12 facadas. Foto: Reprodução/Facebook

O mestre de capoeira Romualdo Rosário da Costa, conhecido como Moa do Katendê, de 63 anos, foi morto com 12 facadas nas costas na madrugada desta segunda-feira, em um bar em Salvador, após dizer que tinha votado no candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad.

Ao Jornal Extra, a assessoria de imprensa da Secretaria da Segurança Pública do Estado da Bahia (SSP-BA) informou que o autor do crime, um homem de 51 anos, teria começado a discussão após manifestar apoio a Jair Bolsonaro (PSL). Outro homem de 51 anos que tentou defender a vítima também foi ferido.

Ainda segundo o jornal Extra, o mestre de capoeira estava em um bar no bairro Engenho Velho de Brotas por volta das 2h40 desta segunda-feira.

A SPP-BA informou que o suspeito chegou ao local gritando o nome de Bolsoraro. A vítima teria, então, dito que ali as pessoas preferiam o PT. Irritado, o autor partiu para cima do mestre de capoeira.

A perícia analisou o corpo da vítima e constatou que foram desferidas 12 facadas na região das costas.

De acordo com as primeiras informações, o agressor e a vítima não se conheciam antes do fato.

Jornal Midiamax