Brasil

Juíza proíbe Nobel da Paz e Leonardo Boff de visitar Lula

O argentino Adolfo Perez Esquivel, ativista de direitos humanos e ganhador do Nobel da Paz de 1980 e Leonardo Boff, teólogo, escritor, ativista de direitos humanos e professor brasileiro solicitaram visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os pedidos foram negados pela juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba. Esquivel também solicitou […]

Tábata Rauschkolb Publicado em 20/04/2018, às 07h48 - Atualizado em 23/04/2018, às 07h58

None

O argentino Adolfo Perez Esquivel, ativista de direitos humanos e ganhador do Nobel da Paz de 1980 e Leonardo Boff, teólogo, escritor, ativista de direitos humanos e professor brasileiro solicitaram visita ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os pedidos foram negados pela juíza Carolina Lebbos, da 12ª Vara Federal de Curitiba.

Esquivel também solicitou autorização para inspecionar as instalações onde Lula encontra-se preso, o pedido foi feito na condição de presidente de Organismo de Tutela Internacional dos Direito Humanos (SERPAJ), e amparasse nas Leis de Mandela, uma série de tratados internacionais de direitos humanos dos quais o Brasil é signatário.

A regra 83 das Leis de Mandela afirma que deve haver inspeções regulares nas unidades e nos serviços penas, inclusive “Inspeções externas conduzidas por órgão independente da administração prisional, que pode incluir órgãos internacionais ou regionais competentes”.

Segundo informações da Agência Brasil a juíza afirmou no despacho, “Efetivamente, não há fundamento legal a amparar a pretensão deduzida”, justificando que o direito dado a órgãos internacionais não é estendido a órgãos sociais de caráter não governamental, já que, embora seja entidade consultiva das Nações Unidas, a SERPAJ não a integra. A juíza ainda afirmou que não há indicativo de violação a direitos de presos na carceragem da PF (Polícia Federal).

Em entrevista à rede Telesur Esquivel afirma que “Lula é um amigo de muitos anos e um lutador pela vida de seu povo, estamos tentando, esperando a decisão da juíza que me permita lhe dar um abraço e conversar com ele”

Leonardo Boff, de 79 anos passou o dia dessa quinta-feira (19), sentado em frente à sede de PF em Curitiba, a espera de autorização.

Em depoimento à Lula, Boff afirma “ Eu tô aqui profundamente indignado, porque uma juíza com a cabeça muito pequena não permitiu que um prêmio Nobel da Paz como Esquivel e eu como teu amigo pudéssemos entrar, de forma humanitária, dar te um abraço, mostrar nossa amizade, negaram a nossa humanidade e a tua, por isso eu estou indignado, mas ao mesmo tempo tenho esperança e a esperança é a última palavra”.

Foto -  Joka Madruga/Agência PT
Jornal Midiamax