Brasil

Autor de atentado contra Bolsonaro é indiciado com base na Lei de Segurança Nacional

O homem que esfaqueou o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, será indiciado com base no artigo 20 da Lei de Segurança Nacional, segundo informou a Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (7). O autor foi transferido nesta manhã da sede da Polícia Federal em Juiz de Fora para o Centro […]

Guilherme Cavalcante Publicado em 07/09/2018, às 12h11 - Atualizado em 08/09/2018, às 08h14

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução) - (Foto: Reprodução)

O homem que esfaqueou o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), Adelio Bispo de Oliveira, será indiciado com base no artigo 20 da Lei de Segurança Nacional, segundo informou a Polícia Federal na manhã desta sexta-feira (7).

O autor foi transferido nesta manhã da sede da Polícia Federal em Juiz de Fora para o Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (CERESP), também no município mineiro.

Com pena prevista entre 3 e 10 anos de prisão, o artigo considera crime “devastar, saquear, extorquir, roubar, sequestrar, manter em cárcere privado, incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas”.

A legislação também prevê que se a agressão resultar em lesão corporal grave, a pena pode ser até mesmo dobrada. Após o ataque, o autor foi preso em flagrante por agentes da Polícia Federal e levado para a delegacia, onde confessou a autoria, disse que teria agido por contra própria e “em nome de Deus”. O flagrante permitiu o indiciamento imediato, segundo a PF.

Conforme o site G1, ainda nesta manhã, a Polícia Federal liberou um segundo suspeito do atentado após oitiva – ele não teria ligação direta com o crime, mas teria incitado a violência. O suspeito segue na condição de investigado, segundo informou a PF. Segundo o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, um total de três pessoas são investigadas.

Jornal Midiamax