Brasil

Vereador é cassado por oferecer churrasco em tribo indígena em Rondônia

Além de churrasco, teria dado trator e R$ 20 mil a indígenas

Joaquim Padilha Publicado em 21/06/2017, às 11h44

None

Além de churrasco, teria dado trator e R$ 20 mil a indígenas

O vereador Marcelo Lemos (PSD), da cidade de Ji-Paraná, em Rondônia, foi cassado pelo TRE-RO (Tribunal Regional Eleitoral de Rondônia) por suspeita de ter oferecido um grande churrasco para aldeia ingídena Iterap, como forma de comprar votos.

O vereador é acusado pelo TRE de ter comprado votos em duas tribos de diferentes aldeias indígenas. Na aldeia Ikerap, da etnia Arara, o churrasco teve direito a grandes quantidades de carne e refrigerantes, e pedidos públicos de votos aos indígenas.

Marcelo Lemos também teria pedido votos na aldeia Ikolen, da etnia dos Gaviões, por meio do pagamento de uma quantia de mais de R$ 20 mil ao cacique Catarino Ceribob da Silva, o Painho, e a oferta de um trator para a comunidade.Vereador é cassado por oferecer churrasco em tribo indígena em Rondônia

O cacique Painho teria ainda ficado à porta da sala de votação destinada aos eleitores de sua tribo para orientar aos indígenas, em sua língua, para que votassem em Marcelo Lemos, ainda segundo o TRE.

O vereador obteve 938 votos na cidade. Com a decisão do TRE ele permanecerá inelegível pelos próximos oito anos. Os advogados de Marcelo Lemos afirmam que ele entrará com recurso contra a sentença ainda nesta quarta-feira (21).

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Jornal Midiamax