Brasil

Travesti é roubada por cliente e o denuncia nas redes sociais com fotos do suspeito

Caso aconteceu em um motel de Praia Grande, no litoral de São Paulo

Henrique Kawaminami Publicado em 10/01/2017, às 12h55

None
dayane.jpg

Caso aconteceu em um motel de Praia Grande, no litoral de São Paulo

Um travesti que trabalha como garota de programa em Praia Grande, no litoral de São Paulo, foi furtada dentro de um motel por um cliente que havia marcado um programa com ela horas antes pela internet. O caso aconteceu na manhã do último domingo (8).

Revoltada com a situação, a travesti fez dezenas de postagens em grupos nas redes sociais com fotos do suposto assaltante e pedindo a devolução dos pertences.

Segundo noticiado pelo G1, Dayane Larraya Rios foi até um motel na cidade com o rapaz e, após realizar o programa, recebeu o pagamento normalmente. Em seguida, foi até o banheiro, momento que foi vítima do crime.

“Ele me pagou mas, quando eu fui ao banheiro, ele levou a minha bolsa com todos os meus pertences e me trancou no motel", disse a travesti, que na segunda-feira (9) pediu na internet que as pessoas compartilhassem o perfil do rapaz até que o problema fosse resolvido. "Quem puder compartilhar o perfil dele eu agradeço, porque o infeliz pediu para adicioná-lo no Facebook e ainda me roubou. Que bonito", ironizou.

Após as publicações na rede social, Dayane conta que a família do rapaz entrou em contato com ela e resolveu ressarci-la. Por causa desse contato ela decidiu não registar a ocorrência.

Travesti é roubada por cliente e o denuncia nas redes sociais com fotos do suspeito"O problema foi solucionado de tarde. A família dele entrou em contato comigo e me ressarciu, então eu fiquei de retirar as postagens. O importante é que eu vou poder comprar um celular novo", comentou Dayane.

Mesmo feliz com a possibilidade de ter um novo aparelho, a travesti lamentou o ocorrido e deixa uma mensagem de alerta para que outras pessoas não sejam vítimas da mesma situação. "Que meu caso sirva de exemplo. Isso serve para que qualquer pessoa não deixe os pertences no quarto enquanto não estiver, porque fui usar o banheiro e fui roubada e trancada. Ainda por cima interfonei no hotel e demoraram 20 minutos. Ele saiu sozinho e ninguém falou nada. E se ele tivesse me matado?", questiona.

O responsáveis pelo motel onde o caso aconteceu preferiram não falar sobre a situação.

Jornal Midiamax