Brasil

PF conclui perícia de áudio gravado por Joesley Batista

Delegados do caso podem pedir mais tempo ao STF 

Ana Paula Chuva Publicado em 23/06/2017, às 18h04

None

Delegados do caso podem pedir mais tempo ao STF 

Os peritos da Polícia Federal finalizaram nesta sexta-feira (23), o laudo da análise das gravações feitas pelo empresário Joesley Batista de conversa com o presidente Michel Temer no Palácio do Jaburu. O diálogo foi entregue por Joesley como prova do que disse em delação premiada. Ele acusou o presidente de receber propina da JBS, da qual é sócio.PF conclui perícia de áudio gravado por Joesley Batista

Com base no relatório da perícia finalizada nesta sexta, os delegados que trabalham no caso podem pedir mais tempo ao STF para realizar outras diligências, encaminhar um novo relatório parcial para o relator do caso, ministro Edson Fachin, ou concluir em definitivo o inquérito.

Os delegados já apresentaram um relatório parcial apontando indícios de corrupção cometidos pelo presidente Temer dentro desse mesmo inquérito.

Nessa segunda etapa do trabalho, vão dizer se há ou não indício de crime de obstrução de Justiça.  Essa parte depende da perícia porque na conversa o empresário Joesley Batista disse ao presidente que estava cuidando do ex-deputado Eduardo Cunha e do operador Lucio Bolonha Funaro quando Temer responde: “Tem que manter isso”. Segundo a PGR, Joesley se referia a pagamentos feitos aos familiares dos dois presos em troca de não fazerem delação premiada.

A partir da conclusão do inquérito pela PF, a PGR tem prazo de cinco dias para apresentar denúncia contra o presidente Michel Temer ou pedir o arquivamento. Se a denúncia for apresentada, o que é mais provável, 2/3 dos deputados têm que autorizar a abertura de processo pelo STF contra o presidente da República. Antes de seguir para o plenário, o caso é analisar pela CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara. O relatório nessa etapa precisa ser aprovado por maioria simples, mas mesmo que a abertura de processo for rejeitada ele segue para o plenário.

Jornal Midiamax