Brasil

Beira-Mar dá entrevista à televisão: ‘Fui para Paraguai para não morrer’

Traficante reclama de condição de presídios

Joaquim Padilha Publicado em 07/06/2017, às 14h54

None

Traficante reclama de condição de presídios

Em uma entrevista exclusiva com o maior traficante brasileiro de drogas e armas, a ser exibida na rede nacional de televisão nesta quarta-feira (7), Fernandinho Beira-Mar irá expor suas reclamações sobre o sistema carcerário brasileiro. A entrevista foi feita no presídio federal de Rondônia.

“Você pode até suportar. Agora, o cara que se adapta a um negócio desse aqui (a prisão) ou é maluco, ou está muito bem medicado; ou tem problema de voltar ao seu Estado. Ninguém se adapta a esse troço aqui”, disse na entrevista ao “Jornal da Record”.

Ele afirma que decidiu fugir para o Paraguai porque temia ser morto pela polícia brasileira. “A minha opção pelo Paraguai foi para não morrer, porque, no momento, eu era o alvo número um”, diz.

A entrevista com Beira-Mar é a terceira da série especial “atrás das Grades”, produzida pelo Jornal da Record, que aponta a situação atual dos presídos nacionais. A série, com cinco episódios, termina na sexta-feira.Beira-Mar dá entrevista à televisão: 'Fui para Paraguai para não morrer'

Condenação

Fernandinho Beira-Mar tem cerca de 150 anos em condenação pelos mais diversos crimes –do tráfico até assassinato. Mas dificilmente, de acordo com a legislçação, passará mas de 30 anos preso.

Nascido em Duque de Caxias (RJ), teria começado no crime aos 13 anos, Aos 20, foi preso acusado de roubar armamento do Exército e revendê-lo para traficantes cariocas.

Quando morava no Paraguai, já era um dos maiores traficantes de drogas e armas da América do Sul.

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Jornal Midiamax