Brasil

Após análise, Governo Federal cancela 8,4 mil seguros-desemprego no país

Exame foi feito por software que busca fraudes

Joaquim Padilha Publicado em 27/01/2017, às 13h21

None
carteiradetrabalho.jpg

Exame foi feito por software que busca fraudes

Após uma série de exames de seguro­desemprego feito pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego), pelo menos 8,4 mil concessões vigentes do benefício foram canceladas, o que totalizam R$ 51 milhões, segundo o ministro Ronaldo Nogueira.

O reexame foi feito por meio de um sistema comprado pelo Ministério por R$ 72 milhões. O programa faz um pente­fino nas concessões do benefício, e deve poupar até R$ 1,35 bilhão por ano. Até o momento, há R$ 142 milhões em exame.

No ano passado, o desembolso com seguro­desemprego foi de R$ 34 bilhões. Alguns casos de fraudes chamaram a atenção do ministro, como o de uma microempresa que demitiu 280 funcionários de uma vez.

"Um único número de CPF apresentou seis requerimentos [de benefício] por empresas diferentes, como se estivesse empregado em todas e tivesse sido demitido de todas ao mesmo tempo."

O ministério tem planos para esmiuçar também os pagamentos de abono salarial, seguro­defeso (para os pescadores) e do próprio FGTS. Em um segundo momento, os órgãos de inspeção de trabalho informal devem ser aprimorados, diz Nogueira.

Os dados sobre o deficit do governo federal em 2016 ainda não foram fechados, mas até novembro, a conta era negativa em R$ 94,2 bilhões.

"Não é a crise fiscal, no entanto, a causa da busca de fraudes, mas, sim, uma orientação por controle de gastos, mesmo que esses valores sejam do Fundo de Amparo ao Trabalhador", diz ele.

(sob supervisão de Ludyney Moura)

Jornal Midiamax