Brasil

Temer veta reajuste a ministros do Supremo e criação de 14 mil cargos

Após pressão

Diego Alves Publicado em 07/06/2016, às 23h38

None
michel_temer_by_abr.jpg

Após pressão

O presidente interino, Michel Temer, recuou na decisão de reajustar os salários dos ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e de apoiar a criação de 14 mil cargos, de acordo com o blog do jornalista Rodolfo Costa do Correio Braziliense.

Pressionado pelas famílias, pela oposição e pelo mercado, o chefe do Executivo foi convencido pelo ministro interino do Planejamento, Dyogo de Oliveira, a mudar de ideia. O aumento aos ministros do STF provocaria um efeito cascata, que quebraria de vez os estados.

 Auxiliares de Temer avaliam que as decisões repercutiram negativamente para o governo. Diante do grande número de desempregados no país e do descompasso nas contas públicas, não pegou bem para Temer a decisão inicial de apoiar as medidas, que vão contra o ajuste fiscal austero proposto pela equipe econômica.

 Na semana passada, após a revelação de que a Câmara havia autorizado a criação dos 14 mil cargos, Temer chamou Oliveira ao Palácio do Jaburu para convencer a sociedade civil e os agentes econômicos de que “não houve criação de cargos na administração federal, que gerasse aumento de despesas, e sim a compensação com a extinção de outros cargos equivalentes”.

Jornal Midiamax