Brasil

Falta de quórum suspende sessão de cassação de Cunha na Câmara

Sessão foi suspensa por uma hora

Guilherme Cavalcante Publicado em 12/09/2016, às 22h24

None
948893-camara20eduardo20cunha.jpg

Sessão foi suspensa por uma hora

A sessão na qual aconteceria a votação pela cassação do deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ0 foi suspensa logo após aberta, na noite desta segunda-feira (12), na Câmara dos Deputados, em Brasília. O deputado Delegado Valdir (PSDB-GO) foi pontual e abriu a sessão da Câmara dos Deputados às 19h de hoje (12). Entretanto, o quórum no momento da abertura era 328 deputados.

Por isso, Valdir decidiu suspender a sessão por uma hora para aguardar o quórum mínimo de 400 deputados, conforme anunciado previamente pelo presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Vou suspender a sessão por uma hora para que possamos atingir o quórum adequado”, disse.

Deputados do PT, PCdoB e PSB protestaram contra a decisão e fizeram um apelo para que a presidência mantivesse os trabalhos abertos, aguardando o restante dos deputados. A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ) lembrou que, habitualmente, os deputados se apressam em seguir para o plenário quando sabem que a sessão está aberta e pediu que a presidência não interrompesse os trabalhos.

“Nós sabemos que os deputados vêm para a sessão depois de aberta. Suspender vai esvaziar ainda mais e dificultar o quórum maior”, disse a deputada. O pedido foi em vão, e a sessão foi suspensa pouco tempo depois.

O presidente Rodrigo Maia apoiou o intervalo de uma hora e explicou que a exigência de quórum mínimo de 400 deputados é regimental e não pode ser ignorada. “Estou cumprindo o regimento. Não posso correr nenhum risco nesta sessão”, disse.

Oposição

Mais cedo, Feghali e outros deputados de oposição cobraram que a base aliada do governo de Michel Temer garanta o quórum para a cassação de Cunha. Ela anunciou que PCdoB e PT terão suas bancadas integralmente presentes e rebateu o apelo feito pelo PSDB para que os parlamentares procurem falar pouco durante os debates para que a votação não ocorra muito tarde.

“A primeira coisa é o PSDB colocar a sua bancada aqui”, disse a deputada, em tom de cobrança. Segundo ela, não é possível “controlar a boca dos parlamentares” e cada um terá o tempo que precisar para discursar.

Jornal Midiamax