Brasil

Votação da PEC da maioridade fica para o mês que vem, depois de recesso

O texto foi aprovado no início do mês depois de suposta manobra regimental

Clayton Neves Publicado em 15/07/2015, às 12h28

None
plenario-da-camara-federal1.jpg

O texto foi aprovado no início do mês depois de suposta manobra regimental

A Câmara deixou para agosto, depois do período de recesso parlamentar, a votação em segundo turno da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que estabelece a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos para adolescentes que praticarem crimes hediondos, homicídios dolosos (com intenção de matar) e lesão corporal seguida de morte.

O texto foi aprovado no início do mês depois de suposta manobra regimental do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Defensor da redução da maioridade penal, Cunha havia sido derrotado em primeira votação, mas conseguiu virar o jogo em apenas 24 horas. Deputados governistas acusaram o presidente da Câmara de golpe e chegaram a recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF), mas foram derrotados. O texto precisava de 308 votos de deputados para ser aprovado no plenário da Câmara e conseguiu atingir 323.

Apoio à mudança
O Centro-Oeste, região com maior porcentual da população favorável à redução da maioridade penal, foi também a que deu maior apoio à PEC. Levantamento feito pelo Estado mostrou que 82% dos parlamentares dessa região votaram “sim” ao texto.

Se aprovada em segundo turno na Câmara, a PEC seguirá para apreciação do Senado, onde também será objeto de duas votações no plenário da Casa. A expectativa do governo, porém, é de que o texto não passe no Senado.

Jornal Midiamax