Sem Categoria

Projeto vai mapear a logística do CO

O Centro-Oeste brasileiro será a quarta região a ter um planejamento estratégico de infraestrutura de transporte e logística de cargas. Este é o objetivo do projeto Centro-Oeste Competitivo, lançado na manhã desta quarta-feira (19), na Federação das Indústrias de MS (Fiems) e já desenvolvido no Norte, Sul e Nordeste brasileiros. Coordenada no Estado pela Fiems […]

Arquivo Publicado em 19/09/2012, às 18h50

None
1805599734.jpg

O Centro-Oeste brasileiro será a quarta região a ter um planejamento estratégico de infraestrutura de transporte e logística de cargas. Este é o objetivo do projeto Centro-Oeste Competitivo, lançado na manhã desta quarta-feira (19), na Federação das Indústrias de MS (Fiems) e já desenvolvido no Norte, Sul e Nordeste brasileiros.


Coordenada no Estado pela Fiems e pela Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul), o projeto vai mapear os planos de governo e iniciativas privadas já idealizados – concretizados ou não – com o objetivo de reduzir os custos logísticos da região. A partir das ações já propostas e por meio de uma abrangente pesquisa de fluxo de pessoas e de produtos será elaborado um plano logístico específico para a região, formado por sistemas de eixos integrados de infraestrutura e transporte.


Com custo estimado em R$ 1,8 milhão, o projeto vai avaliar as 15 principais cadeias produtivas do Estado, nos segmentos do agronegócio, mineração e produtos industrializados, as quais compreendem 54 produtos destinados à exportação. Essas cadeias compreendem 96% da Balança Comercial de Mato Grosso do Sul. Do setor do agronegócio serão estudadas as cadeias da soja, milho, bovina, madeira, adubos e fertilizantes, produtos que respondem por 95% da produção agropecuária da região Centro-Oeste.


Considerando as particularidades da região, tais como as distâncias, as fronteiras abertas e as várias alternativas de produtos, as perspectivas apontam para soluções de modais integrados, adianta o coordenador técnico do projeto, Olivier Girard. “Já percebemos como uma constante a necessidade de portos e terminais rodoviários na região”, adianta.


No lançamento, o presidente da Famasul destacou a necessidade de investimento para acompanhar o desenvolvimento do setor. “Temos uma safra de mais de 10 milhões de toneladas de grãos no Estado e o nosso maior entrave é logística, que tira a competitividade do produtor. A produção evoluiu rápido e demanda investimentos”, salientou. O presidente da Fiems exemplificou o gargalo logístico comparando o custo do escoamento de produção. “O transporte da celulose fica mais caro de Três Lagoas a Santos do que de Santos à China”, afirmou. “O Centro-Oeste é a maior frente de desenvolvimento do País, temos que criar condições logísticas compatíveis”, finalizou.


Na etapa do CO, o projeto será desenvolvido nos Estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso – onde foi lançado no último dia 31, Goiás e Distrito Federal. Em âmbito nacional, o mapeamento dos gargalos logísticos é uma iniciativa desenvolvida pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Confederação Nacional da Indústria (CNI), Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja) e Associação Nacional dos Produtores de Algodão (Ampas). Depois do CO será a vez do Sudeste ter o mapeamento para suprir as deficiências logísticas.


Jornal Midiamax