Publieditorial

FESERP/MS discute data base em reunião com o Governo do Estado

Produção Publicado em 23/04/2021, às 07h00

None
Foto: Divulgação

O Governo do Estado recebeu hoje da Feserp/MS (Federação Sindical dos Servidores Públicos Estaduais e Municipais do Estado de Mato Grosso do Sul) a proposta para data base de reposição salarial sendo 6.10% da reposição inflacionária, que representa o índice acumulado do IPCA. O documento foi entregue na manhã de hoje (22) ao Secretário de Governo Sérgio Murilo, para a secretária de Administração Ana Carolina Nardes e o secretário-adjunto Edio Viegas.

“Queremos que seja feita a reposição inflacionária, já que os servidores públicos, sejam na ativa ou aposentados, estão sentindo dia a dia, no bolso, a alta da inflação. Além de um cartão alimentação ou de benefícios para todas as categorias de servidores e um cronograma para atendimento aos sindicatos filiados à Federação para discussão das demandas específicas de cada carreira”, defendeu a presidente da entidade Lilian Fernandes sobre a conversa inicial. A federação representa servidores públicos que estão em atividade e também os aposentados.

Segundo ela, foi feito um compromisso de que a proposta será levada para o Governador Reinaldo Azambuja (PSDB) para que até o final de abril para que seja dada uma resposta. Com exceção dos professores a data base para o reajuste salarial é no dia 1 de maio.

“A Lei Complementar 173 permite que seja concedido a reposição inflacionária, conforme rege o artigo 37 da Constituição Federal. Essa foi a nossa primeira reunião com os representantes do Governo e esperamos que os resultados sejam positivos para os servidores que esperam pelo menos esse índice”, finalizou.

Fotos: divulgação 

Também participaram do encontro, membros da diretoria da Feserp/MS e representantes dos sindicatos filiados a Federação. A entidade informa ainda que foram tomadas todas as medidas de biossegurança e a conversa foi feita no auditório do Imasul respeitando assim o distanciamento para conter a proliferação da covid-19.

Jornal Midiamax