Política / Transparência

Estado paralisa obras avaliadas em R$ 5,2 milhões por quatro meses

Pavimentações, drenagens e sinalizações são executadas no interior

Joaquim Padilha Publicado em 04/04/2017, às 11h25

None
anferconstrucoes.jpg

Pavimentações, drenagens e sinalizações são executadas no interior

A Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos), órgão do Estado vinculado à Seinfra (Secretaria de Estado de Infraestrutura), divulgou nesta terça-feira (4) a paralisação de três obras de pavimentação, drenagem e sinalização em municípios do interior. Ao todo, os contratos das obras são avaliados em R$ 5,2 milhões.

Todas as paralisações tem duração de quatro meses (120 dias) e começam a contar a partir do dia 1º de fevereiro, segundo as publicações da Agesul.

A primeira paralisada foi a obra de pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais no município de Taquarussu, operada pela empreiteira Concrevia Construtora Ltda. O custo pelos serviços é de R$ 1 milhão

O contrato inicial do projeto, assinado em junho do ano passado, previa a execução dos trabalhos em 180 dias. As obras acontecem na Travessa Carlos Augusto de Oliveira.

Também foram paralisadas as obras de pavimentação asfáltica e drenagem de águas pluviais no Jardim Primavera, em Água Clara, avaliadas em R$ 3,8 milhões.

Os serviços, executados pela empresa Sanches & Aquino Construtora, também deveriam ser concluídos em 180 dias, a contar de setembro de 2016.

Já em Rio Negro, as obras paralisadas são de pavimentação, sinalização viária e calçamento, na rua Pernambuco. O custo total dos investimentos foi de R$ 396 mil. 

Os trabalhos começaram em novembro do último ano, executados pela empresa Decimal Engenharia, e deveriam ser concluídos em apenas 90 dias.

Todas as paralisações foram assinadas em janeiro deste ano pelo ex-diretor presidente da Agesul, Ednei Marcelo Miglioli, quando ainda ocupava o posto na Agência.

Jornal Midiamax