Política / Transparência

TCE-MS faz raio-X das prefeituras com gastos na educação

Ideia é informar eleitos quanto ele tem para aplicar no ensino

Celso Bejarano Publicado em 12/09/2016, às 16h57

None
jpeg_tcems.jpg

Ideia é informar eleitos quanto ele tem para aplicar no ensino

O TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) prepara um estudo que vai indicar quanto cada um dos 79 municípios gastou com a educação dos alunos. Tais números serão entregues aos prefeitos eleitos e reeleitos, ainda neste ano, informou a assessoria de imprensa da corte.

A ideia é mostrar a cifra que foi aplicada por aluno e também quanto a prefeitura tem em caixa para investir na educação municipal, em 2017, por exemplo. Os dados indicam ainda se o município gastou "mais" ou "menos" do orçamento possível.

 “Estamos fazendo um comparativo, uma radiografia. Nós entendemos que o melhor remédio é a prevenção e esse levantamento traz os números, indicadores que vão demostrar realmente onde estão os gargalos, onde precisam ser feitas as correções, as melhorias. A conclusão desse trabalho, com resultados concretos, demonstra efetivamente que o TCE está empenhado em fazer esse trabalho preventivo”, disse a diretora-geral da Escoex (Escola Superior de Controle Externo do TCE), a conselheira Marisa Serrano.

Ainda de acordo com a assessoria do TCE, levantamento divulgado semana passada pelo Ministério da Educação, Campo Grande ficou abaixo da meta fixada pelo Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), que deveria ter alcançado 5,6, no entanto, o município atingiu 5,4. A prefeitura de Água Clara superou a meta do MEC, cujo índice ideal seria 4.8, mas a nota foi de 6.8.

O MEC informou que do primeiro ao quinto ano do Ensino Fundamental I, o Brasil foi bem, alcançando o Ideb de 5,5 ante a meta estabelecida, que era de 5,2. Já no Ensino Fundamental II (sexto ao nono ano), o propósito fracassou. A meta seria de 4,7, mas o Ideb foi de 4,5.

O que é

O Ideb é um indicador geral da educação nas redes privada e pública, uma espécie de nota. Para chegar ao índice, o MEC calcula a relação entre rendimento escolar (taxas de aprovação, reprovação e abandono) e desempenho no Saeb/Prova Brasil aplicada para crianças do 5º e 9º ano do fundamental e do 3º ano do ensino médio.

O índice é divulgado a cada dois anos e tem metas projetadas até 2021, quando a expectativa para os anos iniciais da rede estadual é de uma nota 6,0. Assim, para que IDEB de uma escola ou rede cresça é preciso que o aluno aprenda, não repita o ano e frequente as aulas.

Jornal Midiamax