Política / Transparência

Depois de recisão, empreiteira ganha contratos de R$ 20,2 milhões

Usimix possui um contrato de R$ 9,4 milhões

Joaquim Padilha Publicado em 14/09/2016, às 11h47

None
rodovias.jpg

Usimix possui um contrato de R$ 9,4 milhões

A construtora Usimix Ltda foi a vencedora da licitação do governo do Estado de um contrato de um ano no valor de R$ 10,8 milhões, para prestar serviços de conservação das rodovias estaduais que fazem parte da 11ª residência regional de Amambaí. O contrato, publicado no Diário Oficial do Estado desta quarta-feira (14), era inicialmente de outra empresa, a Juha Engenharia Ltda.

Esta é a segunda contratação da Usimix pela Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) para manutenção das malhas rodoviárias do Estado. De acordo com o Portal da Transparência, a empreiteira também é dona de um contrato de R$ 9,4 milhões pelas obras nas rodovias que fazem parte da 17ª residência regional de Rio Negro.

A Usimix e seus sócios-diretores Paulo Roberto Álvares e Michel Issa Filho fazem parte do grupo de 21 investigados que tiveram mais de R$ 315 milhões em bens bloqueados pela Justiça, depois de denúncias feitas pela força tarefa da Operação Lama Asfáltica, sobre irregularidades nas contratações para a operação tapa-buracos, em Campo Grande.

Juha Engenharia

No dia 13 de julho, a Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos) divulgou a recisão do contrato com a Juha, nove dias antes do fim da contratação, depois que o órgão fiscalizou as obras. A construtora ainda tentou recorrer da decisão, mas foi multada em R$ 216 mil e impedida de participar de licitações do poder público por dois anos.

A empreiteira já foi alvo de um inquérito civil, denunciada por suspostamente ter funcionários que trabalhavam dentro da Agesul, durante a gestão de André Puccinelli (PMDB). A empresa nega as possíveis irregularidades.

Entre as pessoas que já responderam pela construtora estão empresários que também já foram denunciados por supostas irregularidades em contratos com o poder público, como o ex-secretário de obras da Capital, João Antônio de Marco, Abimael Lossavero, Uilson Simioli, que já figuraram como dono da Selco Engenharia, empresa citada no esquema dos ‘buracos fantasmas’, e Gerson Nina Prado, atual responsável pela Selco.

(Sob supervisão de Evelin Araujo)

Jornal Midiamax