Política / Transparência

Após 5 meses sem uso, prédio alugado por Governo foi ativado

São pagos R$ 10,5 mil por mês pelo imóvel

Jessica Benitez Publicado em 19/01/2016, às 18h20

None
prediovalerenda.jpg

São pagos R$ 10,5 mil por mês pelo imóvel

O prédio destinado ao programa do Governo Federal Vale Renda e alugado pelo Estado, por meio da Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho), enfim foi aberto após cinco meses desocupado, mesmo com pagamento do aluguel de R$10,5 sendo efetuado mensalmente.

Após 5 meses sem uso, prédio alugado por Governo foi ativadoOs funcionários alegam que desde o dia 11 o imóvel está 'habitado', porém a inauguração ocorreu na sexta-feira (15) conforme havia garantido o Executivo após denúncia do Jornal Midiamax.

As instalações, antes ocupadas pelo comitê eleitoral do ex-prefeito de Campo Grande Nelson Trad Filho (PTB), agora abriga equipe de pouco mais de 110 funcionários para atender beneficiários do Programa Vale Renda.

Segundo o Governo do Estado o prédio estava vazio porque passava por adequações como adaptação do espaço, abertura do processo licitatório, implantação de serviços de internet; telefonia; ar condicionado e reparos e suportes na estrutura física.

De acordo com a vice-governadora e titular da Sedhast, Rose Modesto (PSDB), em 2015, quando a gestão tucana começou, houve auditoria na qual foram apontados 8.021 casos de pessoas cadastradas no programa, porém que não atendem ao perfil beneficiário. Com desligamento de todas a expectativa de economia é de R$ 17,7 milhões por ano.

Enquanto isso outro imóvel alugado pelo Executivo estadual desde setembro do ano passado segue desocupado. A SES (Secretaria de Estado de Saúde), comandada pelo médico Nelson Tavares (PSDB), assinou contrato anual de R$ 240 mil pelo aluguel de um imóvel na Avenida Costa e Silva, que estava abandonado.

Segundo a assessoria de comunicação do governo de Mato Grosso do Sul, as reformas do prédio na Avenida Costa e Silva são para adequação para a transferência e instalação da Superintendência de Vigilância em Saúde e a Coordenadoria de Estado de Controle de Vetores. A conclusão da obra de adequação está prevista para fevereiro.

Jornal Midiamax