Política / Justiça

Audiência de Pistorius é adiada pela justiça sul-africana

O atleta paralímpico sul-africano Oscar Pistorius, acusado da morte da namorada, a modelo Reeva Steenkamp, continuará preso após o adiamento da audiência desta sexta-feira em um tribunal de Pretória. O juiz Desmond Nair suspendeu a audiência até terça-feira, para que a defesa de Pistorius tenha tempo para estudar o caso. Acusado formalmente do assassinato da […]

Arquivo Publicado em 15/02/2013, às 12h05

None

O atleta paralímpico sul-africano Oscar Pistorius, acusado da morte da namorada, a modelo Reeva Steenkamp, continuará preso após o adiamento da audiência desta sexta-feira em um tribunal de Pretória.


O juiz Desmond Nair suspendeu a audiência até terça-feira, para que a defesa de Pistorius tenha tempo para estudar o caso.


Acusado formalmente do assassinato da namorada, Pistorius chegou nesta sexta-feira ao Tribunal da Magistratura de Pretória de cabeça baixa e com o rosto coberto por um capuz. Na sala de audiências, o atleta chorou.


Inicialmente, Pistorius deveria comparecer perante a Justiça ontem, mas a audiência foi adiada para que o Ministério Público tivesse mais tempo para preparar o caso.


Apesar de as impressões iniciais apontarem para uma morte acidental – Pistorius teria confundido a namorada, atingida por quatro tiros, com um ladrão -, a polícia desmentiu essa versão. Uma porta-voz da polícia sul-africana disse nessa quinta-feira que “incidentes domésticos prévios” já haviam sido registrados na casa do atleta.


O campeão paralímpico se tornou um ícone no esporte mundial e um herói nacional na África do Sul, e o episódio deixou o país em estado de choque. Pistorius e Steenkamp formavam uma espécie de casal perfeito: o campeão paralímpico e a bela modelo.


Formada em Direito, Steenkamp era uma modelo famosa na África do Sul, onde estrelou diversas campanhas publicitárias e apresentou programas de TV. Ela se preparava para participar de um reality show de celebridades a partir deste fim de semana.


Já Pistorius fez história na Olimpíada de Londres, no ano passado, ao se tornar o primeiro atleta com as pernas amputadas a correr nos Jogos Olímpicos com suas próteses – além de conquistar uma medalha de ouro na Paralimpíada.

Jornal Midiamax