Política

Projeto de lei quer garantir direito à contraprova nos testes de coronavírus

Projeto de lei protocolado este mês na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) quer garantir o direito gratuito à contraprova nos testes para o diagnóstico da Covid-19, realizados em Mato Grosso do Sul. A proposta foi apresentada pelo deputado estadual João Henrique Catan (PL). Segundo o texto, fica assegurado o direito gratuito à […]

Renata Volpe Publicado em 22/07/2020, às 11h38

Foto: Leopoldo Silva, Agência Senado
Foto: Leopoldo Silva, Agência Senado - Foto: Leopoldo Silva, Agência Senado

Projeto de lei protocolado este mês na Alems (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) quer garantir o direito gratuito à contraprova nos testes para o diagnóstico da Covid-19, realizados em Mato Grosso do Sul.

A proposta foi apresentada pelo deputado estadual João Henrique Catan (PL). Segundo o texto, fica assegurado o direito gratuito à contraprova, como uma segunda análise sorológica, em caso de resultado positivo para o diagnóstico da Covid-19.

A contraprova deverá ser realizada pelo governo estadual. Ainda segundo o texto da proposta, os profissionais essenciais ao controle de doenças e à manutenção da ordem pública que estiverem em contato direto com portadores ou possíveis portadores do novo coronavírus terão prioridade para fazer a contraprova dos testes de diagnóstico da Covid-19.

Conforme a justificativa apresentada pelo parlamentar, os testes rápidos são feitos a partir de sorologia, com uma amostra de sangue do paciente retirada com uma “picada” no dedo e, segundo o Ministério da Saúde, ele faz o diagnóstico da infecção ao detectar uma resposta do sistema imunológico ao vírus. 

Os testes rápidos são usados como uma ferramenta para o auxílio no diagnóstico da Covid-19, mas ainda não possuem 100% de eficácia quanto ao resultado para a infecção por Sars-Cov-2. 

Porém, segundo o texto, cientistas não confirmam o tempo decorrido entre a infecção por coronavírus e a produção de anticorpos pelo organismo de uma pessoa saudável. Isso torna os testes rápidos mais sujeitos a entregarem resultados falso-negativos, quando a doença não aparece em uma pessoa infectada ou falso-positivos, quando a Covid-19 se acusa em alguém que não carrega o vírus. 

Por isso, a contraprova auxiliará a obter números mais próximos da realidade, estimando melhor a taxa de mortalidade do vírus, o avanço da pandemia a nível local e contribuirá para a segurança e maior tranquilidade dos cidadãos sul-mato-grossenses.

Jornal Midiamax