Política

Desembargador nega que prefeito cassado retome o cargo em Bandeirantes

Prefeito de Bandeirantes cassado na semanada passada pela Câmara de Vereadores, Álvaro Urt (DEM), não conseguiu decisão favorável para voltar ao cargo. Em decisão publicada nesta segunda-feira (5), o desembargador Amaury da Silva Kuklinski negou pedido do prefeito cassado e ele permanecesse afastado do comando da cidade. Luiz Meira (Patriota), vice-prefeito, é quem permanece no […]

Aliny Mary Dias Publicado em 06/10/2020, às 18h09 - Atualizado às 18h25

Prefeito Álvaro Urt foi cassado em 29 de setembro (Foto: Thyago Lorentz/Divulgação/Prefeitura de Bandeirantes)
Prefeito Álvaro Urt foi cassado em 29 de setembro (Foto: Thyago Lorentz/Divulgação/Prefeitura de Bandeirantes) - Prefeito Álvaro Urt foi cassado em 29 de setembro (Foto: Thyago Lorentz/Divulgação/Prefeitura de Bandeirantes)

Prefeito de Bandeirantes cassado na semanada passada pela Câmara de Vereadores, Álvaro Urt (DEM), não conseguiu decisão favorável para voltar ao cargo. Em decisão publicada nesta segunda-feira (5), o desembargador Amaury da Silva Kuklinski negou pedido do prefeito cassado e ele permanecesse afastado do comando da cidade. Luiz Meira (Patriota), vice-prefeito, é quem permanece no cargo de prefeito.

No pedido ajuizado após a cassação, a defesa de Álvaro argumenta que houve cerceamento de defesa e que também houve irregularidades na criação da comissão processante, que terminou com o afastamento dele da prefeitura.

Relator do pedido, o desembargador analisou que a justificativa da defesa sobre cerceamento de defesa não foi claro, já que o prefeito foi ouvido pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado) em investigação sobre emissão de notas frias no serviço de manutenção de veículos da prefeitura.

Inicialmente, o judiciário também não reconheceu argumentos de irregularidades na comissão processante. Por isso, o desembargador negou o pedido do prefeito cassado. Agora, a defesa de Álvaro terá prazo de 10 dias para se manifestar e o pedido será analisado, em definitivo, por turma de desembargadores.

Jornal Midiamax