Política

Mourão é aplaudido de pé: ‘Geisel não foi eleito, eu fui’

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, foi aplaudido em pé em Harvard ao responder pergunta sobre o papel dos militares na política brasileira. Em uma pergunta sobre o histórico dos militares no Brasil e uma comparação feita com o general Ernesto Geisel, Mourão rebateu: ” O general Geisel não foi eleito, eu fui”. Nessa hora, enquanto […]

Agência Estado Publicado em 07/04/2019, às 20h38 - Atualizado em 08/04/2019, às 08h11

Foto: Reprodução.
Foto: Reprodução. - Foto: Reprodução.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, foi aplaudido em pé em Harvard ao responder pergunta sobre o papel dos militares na política brasileira. Em uma pergunta sobre o histórico dos militares no Brasil e uma comparação feita com o general Ernesto Geisel, Mourão rebateu: ” O general Geisel não foi eleito, eu fui”.

Nessa hora, enquanto a plateia se levantava para aplaudir o vice-presidente, um manifestante gritou “ditadura nunca mais” e foi retirado pelos seguranças do evento. Mourão participa da Brazil Conference, evento organizado pelos alunos brasileiros de Harvard e do MIT. Na plateia, além de alunos e professores de Harvard, estão o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Ele minimizou o papel dos militares no governo Bolsonaro e disse que os integrantes das Forças Armadas que fazem parte do governo já estavam na reserva quando foram convocados para o Executivo. “O presidente Bolsonaro é mais político do que um militar, mas carrega dentro de si, obviamente, toda formação que nós tivemos”, disse Mourão. Ele disse que foi convocado por Bolsonaro na “décima hora” para a vice-presidência. “Positivo, é assim que funciona a coisa”, brincou Mourão, sobre aceitar o convite.

“Os companheiros que conheciamos das Forças (Armadas) foram convocados, mas são todos da reserva, estão afastados”, disse Mourão.

O vice-presidente afirmou ainda que se o governo “errar demais”, a “conta” irá para as Forças Armadas. “Daí a nossa extrema preocupação e as palavras que o presidente falou no dia 28 de outubro quando fomos eleitos. Ele olhou para mim e disse assim: nós não podemos errar”, disse Mourão.

Jornal Midiamax