Política

Em meio a confusão, senadores decidem votação aberta para eleger mesa diretora

O primeiro dia de atividades do Senado Federal começou quente. Presidida pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), a primeira sessão, nesta sexta-feira (1º), já teve gritaria, “roubo de pasta” e parlamentares batendo boca com o presidente da mesa. Em meio a tudo isso, os senadores decidiram por votação aberta para escolher o novo presidente da Casa. […]

Daiany Albuquerque Publicado em 01/02/2019, às 19h22

Senadora Kátia Abreu "roubou" pasta da mão de Alcolumbre durante sessão (Foto: Reprodução/TV Senado)
Senadora Kátia Abreu "roubou" pasta da mão de Alcolumbre durante sessão (Foto: Reprodução/TV Senado) - Senadora Kátia Abreu "roubou" pasta da mão de Alcolumbre durante sessão (Foto: Reprodução/TV Senado)
Em meio a confusão, senadores decidem votação aberta para eleger mesa diretora
Senadora Kátia Abreu “roubou” pasta da mão de Alcolumbre durante sessão (Foto: Reprodução/TV Senado)

O primeiro dia de atividades do Senado Federal começou quente. Presidida pelo senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), a primeira sessão, nesta sexta-feira (1º), já teve gritaria, “roubo de pasta” e parlamentares batendo boca com o presidente da mesa. Em meio a tudo isso, os senadores decidiram por votação aberta para escolher o novo presidente da Casa.

A confusão começou com um grupo contrário à candidatura do senador Renan Calheiros (MDB-AL) para a presidência do Senado. Os parlamentares decidiram se juntar e reivindicar que o voto para a mesa diretora fosse aberto.

Depois de abrir a palavra para os parlamentares, Alcolumbre decidiu abrir votação para definir como seria feito a eleição para presidente, se com voto aberto ou secreto. Isso irritou muitos dos parlamentares, isso porque o senador pelo Amapá é um dos pré-candidatos para o cargo, o que o deixaria regimentalmente impedido de estar no comando desta sessão.

Em meio a vários discursos contra a presença de Alcolumbre na cadeira, os mais acalorados foram de Renan Calheiros, que chegou a bater boca com o Democrata, e Kátia Abreu (PDT-TO). A última, inclusive, num rompante de raiva “roubou” a pasta com os regimentos e encaminhamentos que estavam com o presidente da sessão e se negou a devolvê-los. “Se você pode ser presidente, eu também posso”, disse a pedetista ao pegar os documentos.

Mesmo com toda a confusão, o democrata encerrou a votação, que terminou com 50 votos favoráveis ao voto aberto e apenas 2 contrários. Apesar disso, a confusão continua e ainda não há definição sobre o horário da votação para a mesa.

Jornal Midiamax