Política

Com 80% dos projetos na CCJ sobre segurança, Simone diz que ida Moro foi positiva

A senadora sul-mato-grossense Simone Tebet (MDB), que preside a CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado, afirmou que a presença do ministro da Justiça, Sérgio Moro, para uma audiência nesta quarta-feira (27) gera bons frutos. A parlamentar lembrou que 80% dos projetos que tramitam na Comissão são sobre segurança. “É preciso declarar guerra […]

Daiany Albuquerque Publicado em 27/03/2019, às 17h07

Presidente da CCJ, senadora Simone Tebet. (Foto: Roberto Castello/Agência Senado)
Presidente da CCJ, senadora Simone Tebet. (Foto: Roberto Castello/Agência Senado) - Presidente da CCJ, senadora Simone Tebet. (Foto: Roberto Castello/Agência Senado)
Com 80% dos projetos na CCJ sobre segurança, Simone diz que ida Moro foi positiva
Presidente da CCJ, senadora Simone Tebet fala sobre ida de Moro ao Senado (Fotos: Roberto Castello/Agência Senado)

A senadora sul-mato-grossense Simone Tebet (MDB), que preside a CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania) do Senado, afirmou que a presença do ministro da Justiça, Sérgio Moro, para uma audiência nesta quarta-feira (27) gera bons frutos. A parlamentar lembrou que 80% dos projetos que tramitam na Comissão são sobre segurança.

“É preciso declarar guerra à guerra em nome da paz. Esta reunião demonstra que a Casa está aberta ao diálogo e que a proposta não vai sair daqui necessariamente como entrou. O importante é construir consensos”, declarou a senadora após a reunião que durou cerca de seis horas.

A senadora ainda afirmou que espera que o projeto anticrime apresentado pelo ministro seja aprovado pelo Congresso Nacional. “Que possamos aprovar o projeto que represente a vontade da maioria do povo brasileiro”.

Com pressa para que seu projeto seja aprovado, o ministro da Justiça gostou da ideia apresentada por uma parlamentar, de que a tramitação do projeto seja iniciada no Senado para que a Câmara atue como Casa revisora.

A ideia partiu da senadora Eliziane Gama (PPS-MA), que entende que os deputados estão concentrados na reforma da Previdência. Para Moro, trata-se de uma questão que precisa ser levada pelos senadores ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

“Não importa a cor do gato, importa que ele pegue o rato. Temos que respeitar a Câmara. Se o Senado conseguir, ok. Gostaria sim de ver discutido, debatido e aprovado o mais rápido possível com aprimoramentos feitos pelo Parlamento”, afirmou Moro. (Com assessoria)

Jornal Midiamax