Política

PT espera eleger três deputados federais e quer levar Amaducci ao 2° turno

O deputado federal Zeca do PT, candidato ao Senado Federal, anunciou, durante a convenção do partido na manhã deste sábado (28), que espera das urnas ampliar o número de parlamentares na Assembleia Legislativa. Atualmente com quatro deputados na Casa de Leis, Zeca disse que espera manter esse quadro e, na melhor das hipóteses, eleger cinco […]

Maisse Cunha Publicado em 28/07/2018, às 12h29 - Atualizado às 12h38

None

O deputado federal Zeca do PT, candidato ao Senado Federal, anunciou, durante a convenção do partido na manhã deste sábado (28), que espera das urnas ampliar o número de parlamentares na Assembleia Legislativa. Atualmente com quatro deputados na Casa de Leis, Zeca disse que espera manter esse quadro e, na melhor das hipóteses, eleger cinco ou seis nomes.

Ex-governador, Zeca afirmou que com a eleição de três nomes para a Câmara Federal, entre eles o do atual deputado Vander Loubet, o partido espera “recuperar o protagonismo da luta política” à nível nacional.

“No mínimo, nós queremos manter nossa bancada na Assembleia, uma bancada aguerrida, com pretensão de cinco ou seis nomes, recuperar a vaga no Senado que o Delcídio [Amaral (PTC)] deixou e levar o Humberto para o segundo turno”, deseja.

Entre os 16 postulantes à Câmara Federal, há quatro vereadores do interior, professores, advogados, comerciantes, pastor evangélico e até militante da Igreja Católica. No Legislativo Estadual, líderes comunitários, ex-vice prefeito de cidade do interior paulista, militantes do movimento negro, líedres sindicais e indígenas.

O plano de governo, segundo os líderes partidários, será pautado na “atenção a grupos que precisam da mão do estado”, como indígenas e quilombolas, inclusão social, educação, saúde, geração de emprego e renda, desenvolvimetno econômico, além da participação regionalizada de conselhos de classe.

Virada

Ao Midiamax, o candidato do partido ao Governo e ex-prefeito de Mundo Novo por três mandatos, Humberto Amaducci, afirmou que o tímido desempenho nas pesquisas de intenção de voto, já recorrente com o PT, não o desanimam e acredita que na ‘virada’ eleitoral terá “início a partir de agora”.

Ele também criticou algumas ações do governo tucano de Reinaldo Azambuja, como a “falta de diálogo” e “truculência” na aprovação da reforma da Previdência estadual. “O governo foi truculento ao aprovar essa reforma. No meu governo vamos minimizar o impacto dessa reforma, conversando com os servidores, será nossa prioridade”, completou.

Carta

Preso em Curitiba, o ex-presidente Lula enviou uma carta de apoio aos companheiros de partido, com críticas ao governo de Michel Temer e pedidos de voto para os petistas. O líder maior do partido também prometeu “tomar muito tereré para comemorar a vítória de quem sempre esteve do lado certo da história”.

“Sei que o Zeca vai deixar saudade no Mato Grosso do Sul, mas nós precisamos dele em Brasília, no Congresso Nacional, onde ele vai nos ajudar a governar o Brasil, pondo fim à série de atentados contra o povo brasileiro cometidos pelos golpistas de Michel Temer e seus aliados tucanos”, afirmou.

Jornal Midiamax