Política

Projetos sobre cerveja em estádios expõe racha ideológico no PSB

Dirigente reconhece divisão no partido

Richelieu Pereira Publicado em 19/04/2018, às 13h05 - Atualizado em 23/04/2018, às 10h16

None

Dirigente reconhece divisão no partido

Dividido em dois grupos após mudança na presidência regional do PSB, até a proposta de projetos de lei de parlamentares evidenciam a diferença de ideais entre membros do partido. Enquanto o novo comandante da legenda no Estado, o deputado federal Elizeu Dionizio, quer proibir a publicidade de bebidas alcoólicas em eventos esportivos, o vereador de Campo Grande, Carlos Augusto Borges, o Carlão, batalhou pela liberação da cerveja em estádios da Capital.

Elizeu Dionizio, cuja base é formada por eleitores evangélicos e que já gravou vídeo em apoio a Jair Bolsonaro, é autor do Projeto de Lei 10.041/2018, que proíbe a publicidade de produtos etílicos nos eventos desportivos, como jogos de futebol, vôlei e basquete, que foi apresentado na terça-feira (17) na Câmara dos Deputados.

O deputado diz estar preocupado com resultado de estudo feito pela OMS (Organização Mundial de Saúde) que divulgou que em 2017 que o consumo de álcool per capita no Brasil aumentou 43,5% em dez anos e supera a média internacional. Em 2006, cada brasileiro a partir de 15 anos bebia o equivalente a 6,2 litros de álcool puro por ano. Em 2016, esse número chegou a 8,9, enquanto a média mundial é 6,4 litros por ano.

O parlamentar defende que a bebida mais consumida no país, a cerveja, não é considerada alcoólica para fins de propaganda, e sua proposta visa corrigir esta “distorção” e coloca a bebida na lista de itens vedados a terem publicidade exposta em locais de eventos e competições desportivas.

Em Campo Grande, o vereador Carlão apresentou proposta que vai de encontro às preocupações de Elizeu Dionizio. Em 2016, conseguiu aprovar um projeto de lei complementar que que liberava a comercialização e o consumo de bebidas alcoólicas nos estádios de futebol na Capital.

O primeiro secretário da Câmara de Vereadores defendeu a medida para atender “ao clamor dos comerciantes, federação de futebol e do público em geral que costuma frequentar os estádios e que não podiam optar em tomar sua cervejinha”.

Embora destaque que a medida “não visa estimular o consumo exagerado de bebidas, mas dar a possibilidade da escolha por parte do público expectador do futebol” que frequenta arenas esportivas. No entanto, a liberação foi vetada pela Promotoria de Justiça de Direitos Difusos de Campo Grande.

Além da diferença de ideias, Carlão já demonstrou sua insatisfação com a mudança repentina na presidência regional do partido, o que vem tentando ser contornado pelo atual presidente.

O próprio presidente municipal do PSB, vereador Veterinário Francisco admitiu que atualmente existem dois grupos, mas que estão dialogando para chegar a um discurso consensual.

Jornal Midiamax