Política

Pré-natal com enfermeiros volta a ser tema de discussão entre vereadores na Câmara

Fritz afirmou que não há denúncia contra enfermeiros no Conselho

Joaquim Padilha Publicado em 05/06/2018, às 11h15 - Atualizado às 11h48

None

O vereador enfermeiro Fritz (PSD) usou a tribuna nesta terça-feira (5) para rebater declarações do vereador Wilson Sami (MDB), que teria criticado a ausênca de médicos nos serviços de atendimento pré-natal dos postos públicos de Campo Grande.

Segundo Fritz, que falou como representante da classe de enfermagem, há uma agenda de consultas com enfermeiros no procedimento. “Quando se fala em pré-natal, estamos falando de agenda de atendimentos feita pela OMS (Organização Mundial da Saúde), pelo Ministério da Saúde”, afirmou.

De acordo com o vereador, essa agenda é composta por duas consultas com enfermeiros e quatro com médicos. “Todos os profissionais fazem o seu papel no pré-natal. No trabalho do enfermeiro, não existe interferência de nenhum outro profissional”, afirmou ainda o parlamentar.

Fritz disse que consultou o Coren-MS (Conselho Regional de Enfermagem de Mato Grosso do Sul) e que não encontrou “nenhuma denúnica ou processo por imperícia contra enfermeiros durante o pré-natal”. O enfermeiro disse que não “conseguiu ver” se há denúncias contra médicos, entretanto.

Ausência de médicos no pré-natal

Consternado, o vereador Wilson Sami, que reclamou da falta de médicos em audiência na última quarta-feira (30), sobre prestação de contas da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), subiu à tribuna e esclareceu suas declarações.

Segundo Sami, sua crítica foi ao fato de verifcar que algumas agendas de gestantes tinham pré-natal com até seis enfermeiros, e nenhum médico. “Minha crítica foi ao fato de não haver na saúde pública da capital médicos especializados. Haviam enfermeiros, mas nenhum médico”, criticou.

O vereador Júnior Longo (PSDB) também comentou a ausência de médicos especializados. Segundo ele, nesta terça havia somente especialistas pediátricos nas UPAs do Cel. Antonino e Vila Almeida. “Não há pediatra em nenhum outro posto”, reclamou.

Ele ainda lembrou que recentemente a Prefeitura publicou um chamamento de médicos aprovado em concursos. Segundo o tucano, só um especialista foi chamado. “O restante é tudo clínico geral”.

Jornal Midiamax