Política

Policiais prendem novo acusado de participar de assassinato de Marielle Franco

Polícia procura por um quarto suspeito como mandante

Joaquim Padilha Publicado em 30/05/2018, às 13h09 - Atualizado em 31/05/2018, às 10h00

Marielle Franco
Marielle Franco - Marielle Franco

Policiais da Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro prenderam, na tarde desta terça-feira (29), Thiago Bruno Mendonça, conhecido como Thiago Macaco, de 33 anos, suspeito de participar da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL).

A prisão cumpre um mandado expedido pelo juízo da 2ª Vara Criminal, com base em investigação da própria especializada. Thiago Macaco é acusado de matar Carlos Alexandre Pereira Maria, colaborador do vereador Marcello Siciliano (PHS). Carlos foi morto no dia 8 de abril deste ano, quando estava em um bar na Zona Oeste do Rio.

Thiago Macaco também é citado no depoimento de uma testemunha-chave do caso da execução da vereadora Marielle Franco e seu motorista, Anderson Gomes, no dia 14 de março deste ano, segundo reportagem do jornal O Globo.

Segundo a testemunha, que é um ex-miliciano, ele seria ligado a Orlando de Curicica, chefe da milícia da Boiúna, atualmente preso. Os dois teriam participado do assassinato da parlamentar, que estaria atrapalhando os negócios do grupo paramilitar na Zona Oeste, de acordo com os relatos;

Esses negócios também interessariam a Siciliano, que nega as acusações. Ainda de acordo com a testemunha, Thiago Macaco teria sido responsável pela clonagem do Cobalt prata, que foi usado pelos assassinos para cometer o crime.

O carro usava uma placa clonada de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Porém, a placa é do veículo de outra pessoa. Até hoje, a polícia não conseguiu chegar ao carro utilizado pelos criminosos.

Os agentes já haviam cumprido a prisão temporária de Rondinele de Jesus Da Silva, o Roni, ocorrido no dia 19 deste mês, pelo mesmo delito. Os policiais da especializada estão agora à procura de Ruy Ribeiro Bastos, 38 anos, apontado como um dos executores do homicídio.

As investigações seguem para confirmar a motivação e apurar eventual autoria de um quarto autor como mandante do crime.

Jornal Midiamax