Política

País não vive reação econômica esperada, afirma Marun na Capital

Ministro comentou fala de presidente Temer sobre desemprego

Aliny Mary Dias Publicado em 04/05/2018, às 16h17 - Atualizado às 18h29

Deputado Carlos Marun (PMDB-MS) no Palácio do Planalto, em Brasília
21/02/2017
REUTERS/Ueslei Marcelino
Deputado Carlos Marun (PMDB-MS) no Palácio do Planalto, em Brasília 21/02/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino - Deputado Carlos Marun (PMDB-MS) no Palácio do Planalto, em Brasília 21/02/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Ao comentar fala do presidente Michel Temer (MDB), nesta sexta-feira (4), sobre desemprego no Brasil, o ministro Carlos Marun (MDB) afirmou que o país não enfrenta a “reação que gostaríamos que estivesse, não vivemos euforia econômica”, afirmou o ministro.

Ministro da Secretaria de Governo da Presidência, Marun participa de seminário sobre Lei de Licitações em Campo Grande. Mais cedo, o presidente Temer afirmou que não há aumento no desemprego no Brasil, mas sim aumento dos que procuram emprego.

Marun justificou o cenário econômico brasileiro. Segundo ele, a “receita” foi dada pela equipe do presidente, mas acabou não sendo seguida, se referindo a aprovação da Reforma da Previdência.

“A fotografia do país é boa, inflação controlada, juros baixíssimos, contas públicas em ordem, crescimento de despesa com limite, mas quem vai investir não olha fotografia, e sim tem visão de futuro.  Quando você vê um país que acha que pode conviver com déficit bilionário da previdência e corporativismo com seus privilégios, retrai o investimento”, disparou.

Apesar de afirmar que o Brasil não vive euforia econômica, Marun explica que “estamos vivendo crescimento econômico”, finalizou.

Temer

Temer participou, em São Paulo, de evento da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) que lançou a publicação Índice de Risco para Negócios Internacionais, que avalia riscos nas dimensões macroeconômica, estabilidade política e social, e segurança dentre 47 países.

Durante discurso no evento, o presidente defendeu sua tese de que, apesar do IBGE divulgar que houve aumento na procura por postos de trabalho no país, isso não significa que o desemprego aumentou, mas, sim, que há mais ânimo na economia, fazendo com que os desempregados fiquem mais encorajados em busca de recolocação.

“Não é porque o desemprego aumentou. É que o desempregado, quando a economia começa a melhorar, ele, que estava desalentado, portanto não procurava emprego, ele se transforma num alentado, ele vai procurar emprego”, disse. “Aqueles que procuram emprego, alentados que se acham, aumenta porque a economia está melhorando”, defendeu Temer.

Jornal Midiamax