Política

Único parlamentar de MS em comissão que avalia denúncia contra Temer prefere silêncio

Denúncia da PGR foi encaminhada para Câmara

Aliny Mary Dias Publicado em 05/07/2017, às 17h10

None

Denúncia da PGR foi encaminhada para Câmara

O tucano Elizeu Dionizio é o único deputado de Mato Grosso do Sul que integra a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados. A comissão vai analisar, no próximo dia 10, o parecer da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Levantamentos feitos pela base governista de Temer indicam que seis dos sete tucanos que compõem a CCJ devem votar pela admissibilidade da denúncia, que pode se transformar em impeachment do presidente.

Apesar de ser apontado comi um dos deputados que votará contra Temer, Dionizio é um dos que praticamente não fala com a imprensa nas últimas semanas. O Jornal Midiamax tentou contato com ele por celular e pela assessoria de imprensa, mas a informação é de que pelo menos agora o deputado não irá se pronunciar.

Vale lembrar que Elizeu foi um dos parlamentares que assinaram pedido de impeachment de Temer em maio, logo depois que a delação premiada dos irmãos Wesley e Joesley Batista veio à tona. Os donos do grupo JBS denunciaram esquema de cobrança de propina instalado no Governo para que incentivos fiscais fossem concedidos.

No mesmo período, o parlamentar também fez campanha para que o partido deixasse a base do Governo, situação ainda em discussão no partido.

A denúncia

Segundo o site G1, os advogados de Michel Temer anunciaram que irão protocolar a defesa do presidente da República na tarde desta quarta, por volta das 15h. Após entregar o documento, o criminalista Antônio Cláudio Mariz de Oliveira, responsável pela defesa do peemedebista, vai conceder uma entrevista coletiva no salão verde da Câmara.

Temer foi denunciado na semana passada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pelo crime de corrupção passiva, com base nas delações de executivos da JBS.

A denúncia da PGR chegou à CCJ na última quinta (29), mesmo dia em que o presidente foi notificado pela Câmara.

Com a notificação de Temer, passou a contar o prazo de dez sessões da Câmara para a defesa do presidente se manifestar sobre a denúncia da PGR. A primeira das sessões foi realizada nesta terça (4).

Jornal Midiamax