Política

Disputa pela presidência do CREA-MS é marcada por pedidos de cassação

Votação é no dia 15 de dezembro em 17 cidades de MS

Richelieu Pereira Publicado em 01/12/2017, às 16h35

None

Votação é no dia 15 de dezembro em 17 cidades de MS

Prevista para o próximo dia 15 de dezembro, a eleição à presidência do CREA-MS (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso do Sul) tem sido marcada por pedidos de cassação de candidaturas. Dos quatro postulantes ao cargo, três foram alvos de pedido de impugnação por supostamente infringir regras eleitorais.

O pedido mais recente foi feito no último dia 29 de novembro pelos engenheiros Semy Alvez Ferraz, Frederico Santos Belchior dos Reis e Edimilson Volpe, que querem a cassação da candidatura do engenheiro civil Marco Antônio Paulino Maia, por abuso de poder político e utilização da “máquina administrativa” em favor de sua campanha.

O abuso de poder seria configurado devido à relação de Marco Maia com Edir Soares da Cunha, profissional do Confea (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia), que teria acesso a uma ampla lista de contatos dos profissionais do conselho, com e-mail e telefone. 

Disputa pela presidência do CREA-MS é marcada por pedidos de cassação

A suspeita é de que a relação seja de um banco de dados que engloba todas as categorias e seja constantemente atualizado com os contatos dos profissionais, o qual só pode ser acessado por funcionários do conselho, e cujo acesso foi negado aos candidatos.

Para embasar a denúncia, foram utilizadas imagens e informações sobre reuniões que comprovariam a relação de Marco Maia com Edir Soares da Cunha.

Alvo da denúncia, Marco Maia diz que ainda não foi comunicado sobre o pedido de cassação e considera essa atitude como “desespero de derrotado”. “É uma atitude normal de quem está desesperado. Não há o menor sentido e cabimento nisso. Mas é um direito de quem está desesperado”, alfineta.

Os três engenheiros que apontam as irregularidades apoiam a candidatura do engenheiro ambiental Rodrigo Costa, que defende uma campanha baseada em “isonomia e propostas” e diz que isso não tem acontecido durante a campanha. “Estão fazendo uma campanha de baixo nível”, dispara.

O próprio Rodrigo Costa foi alvo de pedido de impugnação à Comissão Eleitoral Regional devido a uma notícia publicada pela imprensa sobre o registro de sua candidatura, o que poderia ser considerado propaganda antecipada. O pedido foi rejeitado.

Presidente licenciado do CREA-MS, Dirson Artur Freitag chegou a ter o registro da sua candidatura cassado pela CEF (Comissão Eleitoral Federal), por suposta campanha antecipada, graças a uma publicação em um grupo de WhatsApp, dois dias antes do período permitido pelo calendário eleitoral.

Dirson alegou que o material foi postado por engano no grupo e que não havia intenção de captação de votos.

Após recorrer ao plenário do Confea, o candidato à reeleição conseguiu impedir a impugnação do seu registro. “Na minha opinião virou um problema a eleição do conselho. Com  a frequência dos pedidos de impugnação, acaba não sendo uma disputa democrática”, diz.

“Lamentável esse tipo de recurso, eu não fui autor de nenhum pedido de impugnação. Entendo que o processo tem que ser democrático e na apresentação de ideias e propostas”, complementa o engenheiro agrônomo Dirson Freitag. “Há uma contaminação do processo eleitoral do conselho por interesses que não são de interesse da instituição. O conselho não é um órgão político”.

O quarto postulante à presidência, o engenheiro agrônomo Abrahão Malulei Neto se diz “desanimado” com a disputa. “Acho que o nosso sistema eleitoral é errado, porque você só vota em presidente, não pode montar uma chapa, e isso começa a criar atrito entre categorias”, justifica.

Malulei também critica não poder ter acesso à lista com contato dos profissionais aptos a votar nas eleições. “É um sistema que não tem como atingir 16 mil profissionais sem e-mail e telefone de ninguém. Estou fazendo campanha com a lista de 2014, mesmo assim não é completa. Você fica impossibilitado de fazer campanha”, queixa-se.

As eleições gerais do Confea e Crea ocorrem no dia 15 de dezembro. O pleito será realizado simultaneamente em todo o país, das 9h às 19h, obedecidos os horários locais. São diversos cargos em disputa, com a votação para o presidente do Confea e dos 27 CREAs do país.

Em Mato Grosso do Sul, são 17 cidades que contarão com urnas: Aquidauana, Campo Grande, Chapadão do Sul, Corumbá, Coxim, Dourados, Maracaju, Naviraí, Nova Andradina, Paranaíba, Ponta Porã, Três Lagoas, Rio Brilhante, São Gabriel do Oeste, Amambai, Jardim e Sidrolândia.

Jornal Midiamax