Política

Vereadores vetam proposta sobre reajuste e sindicato já fala em greve geral

Cada categoria quer enviar a sua proposta

Diego Alves Publicado em 05/04/2016, às 23h50

None
_mg_9372_interna.jpg

Cada categoria quer enviar a sua proposta

Por 26 votos contra um, os vereadores de Campo Grande vetaram a proposta do prefeito Alcides Bernal (PP) de dar reajuste salarial a todos servidores municipais em 9,57% de forma escalonada. Integrantes das categorias lotaram o plenário e vaiaram o vereador Cazuza (PP), único a votar a favor do projeto do executivo. Cada categoria de servidores que enviar sua própria proposta.

A vereadora Luisa Ribeiro (PPS) tentou defender o projeto, porém, também foi vaiada e por fim votou a favor do veto com o argumento de que deve haver mais diálogo em relação ao reajuste dos servidores.

A Câmara ficou lotada por representantes do Sisem (Sindicato dos Servidores Municipais de Campo Grande) e ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação), durante a votação e oratória dos legisladores.

A maior reclamação dos servidores que comemoraram o resultado é que o prefeito Bernal não recebeu os representantes de cada categoria. Com o veto, o executivo agora vai ter que enviar uma nova proposta até o dia 25 de abril.

Lucílio Nobre presidente da ACP (Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública) convocou a categoria dos professores e outros profissionais para se unirem às 14 horas desta quarta-feira (6) na sede da ACP para debaterem a situação do reajuste salarial. “Juntos podemos montar um exército para a prefeitura poder respeitar os servidores. E ver que quem manda aqui somos nós”. Uma das pautas da reunião pode ser a de greve geral de acordo com Lucílio. 

Jornal Midiamax