Política

Vereadores pedem celeridade na votação de pedido de impeachment de Bernal

'Bernal não engana nem a Chapeuzinho Vermelho', disse Siufi

Evelin Cáceres Publicado em 02/08/2016, às 15h00

None
camara_paulo-siufi.jpg

'Bernal não engana nem a Chapeuzinho Vermelho', disse Siufi

O pedido de impeachment do prefeito de Campo Grande Alcides Bernal (PP) protocolado na última semana na Câmara causou alvoroço entre os vereadores na primeira sessão após o recesso, nesta terça-feira (2). Paulo Siufi (PMDB) queria que o pedido fosse votado hoje mesmo.

“Bernal fica fazendo teatro e se fazendo de vítima. Volta para a rádio com sua voz aveludada, Bernal. Não tem preparo e nem conhecimento para administrar a cidade. As pessoas ficam achando que ele é bonzinho, mas o Bernal não engana nem a Chapeuzinho Vermelho. Ele é o lobo mal da cidade”, comentou na tribuna.

Carlão (PSB) também usou o microfone para disparar contra o prefeito. “Ele foi cassado por nove crimes administrativos. Isso porque a Câmara não levou em conta o pior crime que ele cometeu. Ele assassinou Campo Grande e transformou a cidade em um caos”.

Presidente da Casa, João Rocha (PSDB) que afirmou nesta segunda (1º) que o pedido seria analisado até o fim desta semana, votou atrás. “Não há prazo para analisar o pedido. Ele é analisado pelo apoio legislativo, vai à procuradoria e aí é despachado na presidência para ver se procede ou não. Isso segue o andamento natural e legal que o regimento interno estabelece, mas ainda não tive acesso à denúncia”, reafirmou.

O vereador reconhece a urgência do pedido, mas pede cautela. “Temos que analisar se tem fundamento e acredito que tem que ter celeridade, mas desde que não cause precipitação e não sejamos obrigados a voltar atrás como no caso da cassação. Temos que fazer tudo legalmente e com respaldo jurídico”.

Baseado nos convênios sucessivos das entidades terceirizadas SSCH (Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária) e Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar), o pedido sugere que Bernal tenha cometido pedaladas fiscais durante a sua gestão.

O pedido, ao qual o Jornal Midiamax teve acesso, solicita a instauração do processo de impeachment ou investigação contra Bernal por causa da “contabilidade criativa” e solicita que a Prefeitura seja intimada para exibir o convênio originário e os aditivos desde 1997, além dos demonstrativos de folhas de pagamentos e comprovantes de recolhimento de conta patronal da Seleta e Omep. 

Jornal Midiamax