Política

Vereadores comemoram decisão de promotor em investigação contra Bernal

Promotor quer afastamento imediato do prefeito por ato de improbidade

Midiamax Publicado em 28/06/2016, às 17h56

None
vereadores.jpg

Promotor quer afastamento imediato do prefeito por ato de improbidade

A notícia do pedido do promotor Alexandre Capiberibe Saldanha, em dar prosseguimento da ação que o MPE (Ministério Público Estadual) move contra o atual prefeito de Campo grande Alcides Bernal (PP) agradou os vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande. Para os parlamentares, a atitude do promotor “tornam legítimas as ações da Comissão Processante” que resultaram na cassação do prefeito, em março de 2014.

Na ação, ingressada em outubro do ano passado, o MPE (Ministério Público Estadual) pede afastamento do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), por improbidade administrativa com base na contratação supostamente irregular da Mega Serv.

Na opinião do vereador Otavio Trad (PTB), por exemplo, o prosseguimento da ação é prova das irregularidades cometidas pelo atual gestor. “Essas irregularidades foram constatadas tanto pelas investigações da Comissão Processante quanto da CPI do Calote, da qual fiz parte. Produção de emergência e processos sem litação foram denunciados além da Mega Serv, em contratos com a Jagaz e a Salute. As irregularidades foram atestadas na época inclusive pelo MPF, OAB e pelo Tribunal de Contas. Eu vejo com olhar jurídico de que o pedido do promotor tem total procedência”.

Edil Albuquerque (PTB) parabenizou decisão do promotor. “Ele está fazendo a parte dele. Tudo que o Bernal mexe em relação à classe empresarial acaba dando este tipo de problema e por último agora tem essa questão dos uniformes. Fora isso, não responde requerimentos, indicações. O atual prefeito não quer saber de nada”, disse.

A notícia também agradou o presidente da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador João Rocha. Ele disse que acredita que o Ministério Público Estadual “irá tomar providências contra os desmandos da atual gestão. O presidente informou ainda que irá levar pessoalmente ao procurador Paulos Passos, documentos não respondidos pela Prefeitura, que comprovam ato de improbidade administrativa.

Base aliada do prefeito na Câmara, a vereadora Luiza Ribeiro (PPS) não comemorou pedido do promotor. Disse apenas que o MPE está fazendo sua parte, diferentemente do que acontece na Câmara. “Essa investigação é de outra alçada e não cabe a nós (vereadores) intervir. Esse processo corre pelo MPE e se, no entendimento deles, o prefeito deve responder, não cabe a nós avaliar. O problema é que aqui dentro o tempo todo se fala em cassar Bernal, enfoque que não era dado ao Gilmar Olarte e que hoje responde por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro”.

Para Chiquinho Telles (PSD), a decisão do promotor é uma prova de que a Justiça está sendo feita, especialmente na validação dos trabalhos da CPI do Calote e da Comissão Processante. “Tudo foi baseado em denúncias que também foram apuradas por esta casa. Acho pertinente a decisão do promotor. É necessário esclarecer que nunca fizemos uma caça as bruxas contra Bernal. Confio na Justiça de Mato Grosso do Sul e ela está sendo feita.

Na sessão desta terça-feira (28) o vereador Paulo Siuffi pediu afastamento temporário do prefeito para a Comissão de Justiça da Casa. O presidente, Airton Saraiva (DEM) disse que irá analisar o caso, e se for possível, tomará com as medidas necessárias para isso.

Jornal Midiamax