Política

Simone diz que saída de Delcídio era previsível e que Temer ‘será’ presidente até sexta

Senadora afirma que, se afastada, Dilma dificilmente volta ao poder 

Midiamax Publicado em 10/05/2016, às 23h22

None
simone_tebet.jpg

Senadora afirma que, se afastada, Dilma dificilmente volta ao poder 

A senadora Simone Tebet (PMDB) afirmou na tarde desta terça-feira (10), após votação que resultou na cassação do mandato de Delcídio do Amaral (Sem partido), que a decisão tomada pelos parlamentares era previsível, considerando gravidade dos fatos narrados nos processo. Ao Jornal Midiamax, a peemedebista também afirmou que Temer deve ser anunciado presidente da República até sexta-feira (13), antecipando possível resultado da votação da admissibilidade do impeachment de Dilma Roussef, previsto para amanhã (11).Simone diz que saída de Delcídio era previsível e que Temer 'será' presidente até sexta

Simone explica que o caso do agora ex-senador Delcídio se complicou diante da severidade das acusações e diz que há fatos relacionados ao petista que precisam ser levados adiante. “Só acho que todo esse processo tem dois pesos e duas medidas. Tem acusações muito graves, inclusive com nome de terceiros que precisam ser melhor avaliados. Durante análise do relatório, ouvi certas incoerências, até mesmo por parte de outros senadores”, explicou.

Como jurista, a senadora diz que sentiu algumas falhas no trâmite processual, mas que a cassação era inevitável. “Sustento esse painel, foi uma decisão importante e o mesmo deve acontecer em relação ao impeachment. Delcídio apontou que agiu a mando de outros, diante do cargo que exercia. É hora de investigar quem determinou que ele fizesse”. Para a senadora, haviam fatos novos, que poderiam incluir nomes de outras pessoas envolvidas em esquema irregular, e que não foram apresentados no processo. “Neste ponto, como jurista, não me senti feliz. Gosto do mais justo possível e tendo Delcídio como adversário político, é claro que a cassação me cercava. Estou satisfeita com a cassação, embora ache que termos que não nos foram apresentados, escondem relevada importância”.

Em relação à admissibilidade do impeachment de Dilma Roussef, Simone afirmou que não pode prever os votos da totalidade dos senadores, mas avalia o afastamento da presidente como certo. “ Seguindo o rito e o que manda Constituição, Temer deve assumir na sexta-feira, isso porque ao término da votação, Dilma precisará ser notificada oficialmente. Após terminar a votação, um ofício será emitido e encaminhado à ela. Assim que tiver conhecimento, Temer se torna presidente”.

De acordo com senadora, constitucionalmente o país nunca pode ficar sem presidente, por isso a nomeação de Temer será imediata. “Mesmo que tenha cerimônia de posse horas depois, Temer assume assim que Dilma for afastada oficialmente. Como a votação está prevista para terminar na quinta, o ofício deverá ser encaminhado à tarde do mesmo dia. Tudo vai depender disso”, explicou. Para Simone, após afastamento, dificilmente Dilma conseguirá voltar ao poder. 

Cassação do Delcídio

Por 74 votos favoráveis, nenhum contra e uma abstenção, o Senado Federal cassou, nesta tarde, o mandato do senador Delcídio do Amaral (sem partido- MS), por quebra de decoro parlamentar. A sessão foi aberta pelo presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL) após as falas de integrantes do Conselho de Ética e da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Renan chamou por pelo menos duas vezes chamou Delcídio para se defender, mas sem êxito. Delcídio não compareceu, nem enviou defesa.

Diante do fato, Renan suspendeu a sessão por cinco minutos para designar um defensor dativo. “Considerando que até o momento não compareceu a este plenário, eu vou suspender a sessão pelo prazo de cinco minutos para que seja designado um defensor dativo”, disse.

O servidor do Senado, Danilo Aguiar foi definido como defensor. O servidor pediu a suspensão do processo com o argumento de que a acusação de obstrução da Justiça carece de inépcia da representação."Ela [a acusão] implica em fazer representação jurídica, mas não indica fato grave que pudesse ensejar a perda", disse Aguiar.

Jornal Midiamax