Política

Sabatinado, Geraldo fala em ‘alargar base de arrecadação’ caso seja eleito

Candidato à Prefeitura de Dourados participou de evento na Aced

Midiamax Publicado em 10/09/2016, às 10h01

None
geraldo_resende_na_aced.jpg

Candidato à Prefeitura de Dourados participou de evento na Aced

O deputado federal Geraldo Resende (PSDB) foi o primeiro dos cinco candidatos à Prefeitura de Dourados a ser sabatinado pelo empresariado local. Nesta sexta-feira (9), o tucano participou de evento "Dourados Associativa: Eleições 2016", no auditório da Aced, a Associação Comercial e Empresarial. Questionado sobre possíveis isenções fiscais para empresas, afirmou ser necessário “alargar a base de arrecadação” do município que almeja administrar, localizado a 228 quilômetros de Campo Grande.

Após 10 minutos concedidos para que apresentasse um resumo de suas propostas de governo, Geraldo teve que responder a oito perguntas feitas por representantes de 10 entidades locais, CDL (Câmara dos Dirigentes Lojistas), Cergrand, Copacentro, OAB, Sicred, Sindicato Rural, Sinpetro/MS, Uniodonto, Uniprime e Unimed, que ao final do evento entregaram uma carta de intenções ao candidato, através da presidente da Aced, Elizabeth Salomão.

AUMENTAR ARRECADAÇÃO

Diante do questionamento sobre a possibilidade de redução do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para empresas com mais de 50 operários, o candidato do PSDB não prometeu nada que lhe possa, numa eventual viória eleitoral, ser entrave para a imperiosa necessidade de dar ao Executivo municipal mais dinheiro para fazer andar a máquina pública.

“Não vou prometer o céu para ganhar a administração municipal. Não vou fazer demagogia, isso deixa para os adversários. Hoje o município tem uma receita muito precária. Estou preocupado, precisamos aumentar arrecadação”, afirmou. O tucano citou a regularização fundiária que precisa ser feita no município, mencionando a existência de moradores que não têm sequer escritura dos bens imóveis.

A ideia é não perder qualquer fonte de receita para os cofres públicos, já que os repasses federais estão cada vez menores. “Alargar a base de arrecadação e você deixa de onerar quem já está bastante sacrificado. Isenção, diminuição ou desconto vamos ter a mesma prática de hoje, aqueles que são os bons pagadores continuaremos a ofertar os descontos que a legislação nos permite”, resumiu.

EDUCAÇÃO INTEGRAL

Geraldo foi cuidadoso ao criticar o que precisa de melhorias no município, especialmente pela parceria que mantém com o prefeito, Murilo Zauith (PSB), responsável pela indicação de seu vice, o também socialista Rogério Yuri Farias Kintschev. Nem por isso, deixou de tocar em temas espinhosos para a gestão atual, como a educação infantil.

Questionado sobre a fonte de recursos para efetivar sua promessa de ensino integral nas creches, o tucano disse ser “urgentíssima” uma reforma administrativa por meio da qual seja direcionado orçamento para suas prioridades, saúde e educação, em detrimento de outros setores.

O candidato do PSDB comprometeu-se, caso eleito, a finalizar as obras de oito Centros de Educação Infantil e construir duas novas creches na Reserva Indígena, uma na Aldeia Jaguapiru e outra na Bororó. “Queremos acabar de vez com essa história de creche de meio período”, pontuou.

Melhorar o IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) “em curtíssimo espaço de tempo” é outra promessa que pretende cumprir com a troca de experiências. “Já está marcado, após nossa vitória eleitoral, no dia 2 de outubro já temos agenda em cidades com plano de educação reconhecidos no país. 1ª cidade será Vitória, no Espírito Santo, experiência mais exitosa em educação no país”, anunciou.

RELAÇÕES POLÍTICAS

Geraldo Resende também respondeu a perguntas sobre segurança pública, turismo, distrito industrial e o aeroporto de Dourados. De um modo geral, citou o relacionamento com gestores públicos de outras esferas de governo, sobretudo a proximidade que mantém com o governador Reinaldo Azambuja, seu correligionário, como meio de obter as parcerias necessárias para atrair investimentos e executar obras e serviços essenciais.

“Somos parceiros do governo do Estado e do governo federal.  Se eu ligar para Mara, que acompanha o Michel Temer, eu tenho certeza que em 24 horas eu tenho resposta do presidente da República. Dourados tem uma janela de oportunidades agora com essas parcerias”, ressaltou.

SEM APANIGUADOS

Sobre o perfil da equipe que planeja montar para a prefeitura, caso eleito, Geraldo Resende alegou buscar mão de obra técnica, especialmente entre servidores efetivos. “Eu não vou levar para prefeitura apaniguados. Tenho compromissos com dois partidos, mas eu disse para eles me indicarem uma lista tríplice levando em consideração a qualificação. Sou exigente e sempre constituí equipes competentes, com os melhores”, disse, cintando o período em que esteve no comando da Secretaria de Estado de Saúde, na gestão do ex-governador Zeca do PT.

MEIO PERÍODO

Outra questão espinhosa para o candidato tucano foi sobre o atendimento nos órgãos públicos municipais, que atualmente, na gestão de seu aliado Zauith, encerram às 13h30. “Fui muitas vezes orientado a não expor esse pensamento às claras. Tal qual na iniciativa privada, eu acredito que precisamos do expediente em período integral”, disparou.

“Eu trabalho todos os dias, todas as horas que for preciso. Minha equipe fica surpreendida. Acordo às 6 horas e vou até meia noite. Não tem sábado, nem feriado. Eu quero ser o exemplo, porque a gente educa muito pelo exemplo. Quero ser o primeiro a chegar e o último a sair da prefeitura. Maioria da população quer o atendimento em período integral”, enfatizou.

Na próxima terça-feira (13), será a vez do deputado estadual Renato Câmara (PMDB) participar do encontro na Aced para apresentar suas propostas enquanto candidato a prefeito de Dourados para o empresariado local. Em seguida, no dia 14, o sabatinado será Wanderlei Carneiro (PP), que precede Délia Razuk (PR) no dia 21 e Ênio Ribeiro (PSOL) no dia 22. Todos os eventos têm início às 17h e uma hora de duração.

Jornal Midiamax