Política

Prisão de Garotinho no Rio está ligada a Operação contra compra de votos

Ex-governador foi preso na Capital carioca

Ludyney Moura Publicado em 16/11/2016, às 13h33

None
antony_garotinho.jpg

Ex-governador foi preso na Capital carioca

Apesar de ser secretário de governo da gestão da esposa, Rosinha Garotinho, em Campos dos Goytacazes, o ex-governador do Rio de Janeiro, Anthony Garotinho, foi preso em casa, um apartamento no Bairro do Flamengo, zona da sul da Capital, por agentes da Polícia Federal.

De acordo com o Jornal O Globo, a prisão de Garotinho seria resultado da Operação Chequinho, que investigou compra de voto nas eleições municipais de 2016 no reduto eleitoral do ex-governador, Campos, cidade comandada por sua esposa.

Na primeira fase da operação, dois vereadores do município, no norte do Estado, Ozéias Azeredo Martins (PSDB) e Miguel Ribeiro Machado, o Miguelito (PSL), foram presos no mês passado, pela Polícia Federal, acusados de fraudar um programa municipal assistencial em troca de votos. Os dois saíram vitoriosos das urnas.

Após o resultado das eleições, a PF prendeu o vereador Kellenson Ayres Figueiredo de Souza, o Kellinho, do mesmo partido de Garotinho, também no âmbito da Operação Chequinho. O parlamentar também conseguiu se reeleger.

Garotinho, que governou o Rio de Janeiro de 1999 a 2002, foi preso em casa, em um apartamento na Rua Senador Vergueiro, no Flamengo, zona sul da Capital. O mandado de prisão partiu do juiz Glaucemir Silva de Oliveira, da 100ª Zona Eleitoral.

Jornal Midiamax