Política

No último ano de mandato, vereador quer salário igual ao de professores

Projeto foi protocolado nesta segunda-feira

Jessica Benitez Publicado em 23/02/2016, às 20h24

None
johny.jpg

Projeto foi protocolado nesta segunda-feira

O vereador de Bela Vista, Johnys Basso (DEM), protocolou projeto que visa igualar salários dos legisladores ao dos professores, reduzindo a atual remuneração de R$ 7,5 mil para R$ 2,1 mil mensais. Além disso, o texto prevê controle rigoroso de faltas na Casa de Leis, com descontos em folha para cada ausência e pagamento equivalente aos outros ao presidente do parlamento, sem gratificações ou acréscimos.

“Enquanto cerca de 40% dos trabalhadores do Bela Vista sobrevivem com até um salário mínimo e tem que conviver com o aumento do preço da energia, dos transportes e dos alimentos, os políticos têm diversas mordomias e altos salários e privilégios. É uma contradição”, diz o vereador que resolveu elaborar o projeto no último ano de mandato.

Em Campo Grande o fisioterapeuta Denis Pereira se engajou para conseguir assinaturas o suficiente para emplacar projeto de iniciativa popular semelhante ao protocolado nesta segunda-feira (22) em Bela Vista. É necessário que ao menos 29 mil pessoas assinem solicitação e até este mês mais de 15 mil haviam sido colhidas.

O intuito da medida é evitar que em 2017 a remuneração suba para R$ 20 mil, como foi aprovado em 2014 passado pelos nobres pares, e tentar igualar a remuneração parlamentar ao que é pago ao cidadão brasileiro, ou seja, de acordo com a formação escolar de cada um.

Aos legisladores que possuem ensino médio o pagamento seria de R$ 1,5 mil a R$ 2,5 mil e aos com formação superior R$ 3,3 mil a 5,3 mil. Atualmente os 29 recebem R$ 15 mil por mês além do auxílio de até R$ 8,4 mil de verba indenizatória.

Inspiração – Em junho do ano passado a pequena Santo Antônio da Platina, cidade com 40 mil habitantes localizada ao norte do Paraná, ganhou manchetes nacionais porque conseguiu diminuir os salários do prefeito, vice-prefeito e vereadores a partir de 2017. Inicialmente o projeto era para aumentar a remuneração, mas após protesto de uma empresária, com direito a vídeo na internet, o jogo virou. O chefe do Executivo passará a ganhar R$ 12 mil, R$ 2,7 mil a menos que o atual. Já os dos nove legisladores, que hoje é de R$ 4 mil, passarão a receber R$ 970. No começo a intenção era reajustar para R$ 8,5 mil. (Com informações do Fronteiranews)

Jornal Midiamax