Política

Em protesto, crackers invadem sites de prefeituras de MS e deixam ‘recado’

O site de Anastácio foi invadido no domingo

Evelin Cáceres Publicado em 09/05/2016, às 15h06

None
anastacio-ms.jpg

O site de Anastácio foi invadido no domingo

O site da Prefeitura de Anastácio, cidade distante 134 quilômetros de Campo Grande, foi invadido por hackers neste domingo (8). Sem ataques a administração municipal, o invasor deixou um ‘meme’ envolvendo a presidente Dilma Rousseff (PT).

A invasão não é a primeira do ano pelas prefeituras de Mato Grosso do Sul. De acordo com a assessoria da Prefeitura, o problema foi resolvido no mesmo dia e nesta segunda-feira (9), a Polícia Civil já investiga o caso, analisando o IP (Internet Protocol) registrado na visita.

Quatro números registrados e a polícia fará a identificação para o registro da ocorrência, considerada um crime cibernético. Em 2012, o prefeito da cidade, na época candidato, sofreu ataques pessoais, com invasão da sua conta em uma rede social e invasão no site da cidade. Na época, os arquivos o site foram apagados.

Mais casos

Neste ano, as prefeituras de Ponta Porã, Sonora, Bandeirantes, Nioaque, Angelica e Câmara de Bandeirantes também ficaram fora do “ar”. No último dia 25 de março, hackers postaram a mensagem “nunca iram de me pegar sou o último do meu cla H-A-C-K-E-D. 4ng3lz Team” (sic).

Além disso, quem acessava o site ouvia a música Castelo de Areia, do Cacife Clandestino, com os trechos “vejo o castelo, de ouro e diamante/Se desmancha como se fosse avalanche/Levanto pra revanche, sem segunda chance/Em habitat de crocodilo/Morcego não da rasante”. 

Por definição, crackers são aqueles que praticam a quebra (ou cracking) de um sistema de segurança de forma ilegal ou sem ética. Este termo foi criado em 1985 por hackers em defesa contra o uso pejorativo do termo hacker. A criação do termo é um reflexo da revolta contra o roubo e vandalismo causados pelos crackers. 

Jornal Midiamax