Política

CPI aponta participação do Cimi na incitação à violência e invasão de propriedades

222 páginas

Diego Alves Publicado em 11/05/2016, às 02h09

None
julianaturatti10520161855.jpg

222 páginas

A CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Cimi (Conselho Indigenista Missionário) aprovou nesta terça-feira (10) o relatório final que contém 222 páginas e foi apresentada pelo relator, o deputado Paulo Corrêa (PR). O relatório será encaminhado à Justiça.

Nas conclusões finais, o deputado Paulo Corrêa afirma a CPI apurou indícios “fortíssimos da participação do Cimi na incitação à violência e a invasão de propriedades privadas”.

“Audiências realizadas nesta Casa de Leis, foram importantíssima na formação do convencimento deste relator da efetiva participação do existem CIMI nos atos mencionados na denúncia”, consta. Leia o relatório aqui.

A CPI foi criada oficialmente em 22 de setembro do ano pela Mesa Diretora da Casa de Leis. De acordo com os parlamentares, o objetivo é o de investigar o Cimi, quanto às denúncias de incitação de conflitos por terras em Mato Grosso do Sul entre indígenas e proprietários rurais.

Ao todo foram realizadas 26 reuniões de trabalho e 37 depoentes passaram pela Casa de Leis para serem ouvidos.  A Comissão também produziu 13 volumes de documentos. Para acesso a íntegra do relatório. 

Jornal Midiamax