Política

Relator de CPI, deputado admite caráter ruralista e chama ministro de ‘picareta’

"Não é padreco ou bispinho que diz o que vou fazer"

Heloísa Lazarini Publicado em 13/10/2015, às 19h49

None
"A terra não é mais dos índios, é dos produtores rurais", disse deputado Paulo Corrêa (PR)/Foto: Luiz Alberto

“Não é padreco ou bispinho que diz o que vou fazer”

“A terra não é mais indígena, é do produtor rural. O ministro da Justiça José Eduardo Cardozo é um ‘picareta’, temos que mandar esse ministro embora porque ele está ministro e nós somos produtores rurais”, esse foi pronunciamento do deputado estadual, Paulo Corrêa (PR), relator da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Cimi, durante primeira oitiva da Comissão que acontece nesta terça-feira (13).

O deputado criticou Constituição de 1988 dizendo que texto contém “erros gravíssimos” ao garantir demarcação de terras, e também disparou contra ativista que defende os povos indígenas que declarou, recentemente, que “a carne e a soja de Mato Grosso do Sul estão manchadas com sangue de crianças indígenas”. “Quero saber quem é essa senhora para fazer uma moção de repúdio, pois a frase correta deve ser: a carne e soja de Mato Grosso do Sul têm suor do produtor rural”. 

Corrêa fez questão de deixar claro seu posicionamento a favor dos produtores rurais e reiterou defesa do que ele considera “direito de propriedade dos fazendeiros” criticando demarcação de terras indígenas assim como fez jornalista Nelson Barreto, que palestrou na primeira hora da oitiva desta terça-feira (13). O deputado ainda teceu acusações sobre autoridades religiosas de Mato Grosso do Sul. “Sou católico, mas não será qualquer padreco ou bispinho que vai falar o que devo fazer ou não”, disse.

Jornal Midiamax