Política

Reinaldo vê o agronegócio de MS como inspiração para o seu governo

Governador discursou na abertura da 77ª Expogrande, onde valorizou o incremento tecnológico na administração

Midiamax Publicado em 24/04/2015, às 00h30

None
_mg_2789.jpg

Governador discursou na abertura da 77ª Expogrande, onde valorizou o incremento tecnológico na administração

Com a autoridade de quem é um produtor rural de sucesso e governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja aproveitou o seu pronunciamento na cerimônia de abertura da 77ª Expogrande, na noite da quinta-feira (23), para traçar um paralelo entre os seus ‘dois mundos’, e ainda citou de onde tira a inspiração para administrar o Estado. 

Reinaldo lembrou que no campo, Mato Grosso do Sul tem vivido uma revolução tecnológica, com incremento da produção, pesquisa e busca por competitividade que demais áreas do Estado precisam acompanhar,  inclusive as entidades governamentais. O governador afirmou que o caminho para recuperar esse ‘atraso de modernização’ estaria na transparência da gestão pública e maior diálogo sobre a aplicação de iniciativas que venham a atender a sociedade.

“Precisamos diminuir o tamanho do governo e ampliar a visibilidade, assim como a eficácia do que é realizado pela administração. É inadmissível para a sociedade que exista na gestão pública práticas de corrupção, de procrastinação, da ausência de eficácia com aquilo que é de todo mundo. Temos que governar com competência, decência, responsabilidade e parceria com as entidades civis”, citou Reinaldo.

O governador falou que acredita em  crescimento econômico de Mato Grosso do Sul bem acima da média dos Estados da Federação em 2015, conjuntura que será atingida por meio de vontade política, e da valorização do setor produtivo. Reinaldo pontuou que seu governo pretende inovar com a criação de uma nota fiscal eletrônica para o produtor rural, desenvolvimento de projetos específicos para os pecuaristas do Pantanal e desonerações como a redução do ICMS do Diesel, que teria uma queda de 17% para 12%, projeto que ainda será avaliado pela Assembleia Legislativa. 

Jornal Midiamax